Você está aqui: Página Inicial > Vice-Presidência > Vice-Presidente > Notícias > Notícias do Vice > 2015 > Governo lança plano para estimular exportações

Notícia

Governo lança plano para estimular exportações

por ASCOM/VPR publicado: 24/06/2015 18h00 última modificação: 24/06/2015 18h00

O governo federal lançou, nesta quarta-feira (24), o Plano Nacional de Exportações para aumentar a presença de produtos brasileiros no comércio internacional e elevar o número de empresas exportadoras. Outro objetivo é incrementar a participação das micro, pequenas e médias empresas na pauta de intercâmbio, com foco em produtos de maior valor agregado e densidade tecnológica. A nova política tem ainda como meta desburocratizar, simplificar e aperfeiçoar os processos administrativos e aduaneiros de comércio exterior, reduzindo prazos e custos.

O Plano Nacional de Exportações tem como pilares acesso a mercados, promoção comercial, facilitação do comércio, financiamento e garantias às exportações e aperfeiçoamento de mecanismos e regimes tributários para apoio às exportações. A política comercial brasileira será focada na remoção de barreiras e construção de acordos comerciais com países de todas as regiões. A promoção comercial terá como norte o mapa construído pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), com 32 mercados prioritários que têm grande demanda por produtos que o Brasil produz.

 Quatro indicadores foram selecionados para acompanhar a implementação do Plano Nacional de Exportações: volume e valor das exportações, valor agregado dos produtos, número de novas empresas e índice de concentração das exportações. Esses critérios permitirão monitorar mudanças na conjuntura econômica nacional e mundial, possibilitando melhor avaliação da atividade exportadora e orientação das ações governamentais durante sua execução.

 Lançado no Palácio do Planalto, com a presença do vice-presidente Michel Temer, da presidenta Dilma Rousseff e do ministro do MDIC, Armando Monteiro, o Plano Nacional de Exportações terá vigência até 2018. Ele foi elaborado com a contribuição do setor privado e a participação de aproximadamente 80 entidades de diversos setores produtivos.