Você está aqui: Página Inicial > Vice-Presidência > Vice-Presidente > Notícias > Notícias do Vice > 2014 > Em encontro com empresários, Michel Temer diz que não há motivos para pessimismo no Brasil

Notícia

Em encontro com empresários, Michel Temer diz que não há motivos para pessimismo no Brasil

publicado: 05/06/2014 00h00 última modificação: 05/06/2014 18h15
Anderson Ridel

O vice-presidente da República conversou, na tarde desta quinta-feira (5), com empresários do setor imobiliário, lideranças de entidades de classe e jornalistas. Todos participaram de encontro promovido pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). "É uma honra receber uma das mais expressivas autoridades deste país, que sempre se colocou  a serviço da Nação. Fale, vice-presidente, com a independência de quem sempre soube se posicionar", ressaltou Carlos Bernardes, presidente da entidade.

 Michel Temer falou em sua palestra sobre a solidez das instituições brasileiras, garantidas pela Constituição de 1988, passando pelo momento reivindicatório em que vive o país, o qual chamou de democracia eficiente - fase em que a população exige eficiência dos serviços públicos e privados, bem como da atividade política. "A evolução social exige uma nova infraestrutura no país. Com os investimentos que estão sendo feitos, o Brasil dará um salto nos próximos anos", disse. 

 O vice-presidente também citou dados que mostram que, apesar da crise econômica que afetou diversos países, o Brasil conseguiu se desenvolver e gerar empregos nos últimos anos. "Duas milhões e oitocentas mil casas populares foram construídas. Isso significa emprego pra muita gente. Vamos lançar, em breve, o (programa) Minha Casa Minha Vida 3 . A iniciativa privada é quem vai construir essas moradias", ressaltou.

 De janeiro de 2011 até abril de 2014, só o setor de construção civil gerou mais de 572 mil empregos diretos, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho(Caged). Segundo Temer, não existe crise econômica nem institucional no Brasil. "Avançamos muito nos últimos anos. Não há razão para pessimismo. Temos que confiar no país", concluiu.