Você está aqui: Página Inicial > Vice-Presidência > Vice-Presidente > Notícias > Notícias do Vice > 2011 > Fevereiro > Vice-presidente discursa no Senado sobre reforma política

Notícia

Vice-presidente discursa no Senado sobre reforma política

Michel Temer tem defendido o voto majoritário para deputados federais, estaduais e vereadores, o chamado “Distritão”.
por Portal Planalto publicado: 22/02/2011 18h15 última modificação: 24/11/2014 15h35

No lançamento da Comissão da Reforma Política do Senado Federal, o vice-presidente da República, Michel Temer, falou da importância de se votar uma proposta simples e objetiva. “Precisamos fazer uma reforma enxuta, de dois, três ou quatro dispositivos”, discursou. A comissão será integrada por 15 senadores e vai levantar os pontos principais para as mudanças eleitorais e do sistema político brasileiro. O presidente da casa, José Sarney, nomeou Francisco Dornelles (PP/RJ) para presidir a comissão.

Michel Temer tem defendido o voto majoritário para deputados federais, estaduais e vereadores, o chamado “Distritão”. Seria uma maneira de simplificar as eleições brasileiras e evitar distorções de candidatos pouco votados tomarem as vagas de outros mais bem votados, como ocorre, atualmente, com o sistema de voto proporcional. Pelo método vigente, as coligações precisam obter um número mínimo de votos, o quociente eleitoral. Por isso, candidatos com boa votação conseguem “levar” para as casas legislativas colegas de partido que não conseguiram bom desempenho.

“O voto majoritário trará o fim destas distorções. Só serão eleitos os mais votados. E além disso, esta simples mudança trará uma reforma implícita e indireta. Sem precisar atingir o quociente eleitoral, os partidos não precisarão mais unir esforços e desaparecerá a figura da coligação partidária”, prevê.

Na cerimônia de instalação da comissão, também estavam presentes o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, o Ministro do Supremo Tribunal Federal, José Antônio Dias Toffoli, e o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso. Junto com os trabalhos do Senado, a Câmara também debaterá a reforma política.