Você está aqui: Página Inicial > Presidência > Palácios e residências oficiais > Palácio da Alvorada

Palácio da Alvorada

por Portal do Planalto publicado 04/07/2011 19h28, última modificação 26/11/2014 13h07
O Palácio da Alvorada é a residência oficial do presidente da República

Palácio da Alvorada

O Palácio da Alvorada, projetado por Oscar Niemeyer, é uma das mais importantes edificações do modernismo arquitetônico brasileiro e o primeiro prédio construído em alvenaria na nova capital. Está localizado numa península que divide o Lago Paranoá em Lago Sul e Lago Norte e abriga a residência oficial do Presidente da República. Em 30 de junho de 1958, com sua inauguração, passou a ser a residência do então Presidente Juscelino Kubitschek .

Clique aqui para ver mais imagens do Palácio da Alvorada.

O Palácio tem configuração horizontal arrematada por uma capela que remete às antigas casas de fazenda do Brasil colonial. O formato diferenciado das colunas externas lembram as redes estendidas em varandas, como as que contornavam os casarões coloniais. O desenho das colunas deu origem ao símbolo e emblema presente no brasão do Distrito Federal.

A edificação é composta de:

  • subsolo que abriga um auditório para 30 pessoas, Sala de Jogos, Almoxarifado, Despensa, Cozinha, Lavanderia e a Administração do Palácio.
  • térreo com salões utilizados pelo Presidente da República, para compromissos oficiais de governo.
  • primeiro andar que constitui a parte residencial do Palácio, onde se encontram quatro suítes e salas íntimas.

 

O Palácio tem um espelho d'água, que reflete a imagem da edificação, criando um espaço virtual infinito, complementado com uma escultura em bronze, denominada As Iaras, obra do artista plástico e escultor brasileiro Alfredo Ceschiatti. 

Restauração do palácio

As primeiras obras de restauração do Palácio da Alvorada foram iniciadas em dezembro de 2004, durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e finalizadas em março de 2006. Teve supervisão técnica do IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e apoio da Abdib - Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base -  na coordenação captação de recursos de patrocinadores privados. A intervenção respeitou o projeto original, contando com a colaboração do próprio Oscar Niemeyer. O foco principal da restauração foi a infraestrutura que se encontrava em estado de deterioração avançado.