Você está aqui: Página Inicial > Presidência > Palácios e residências oficiais > Palácio da Alvorada

Palácio da Alvorada

por Portal do Planalto publicado 04/07/2011 19h28, última modificação 09/05/2017 18h43
O Palácio da Alvorada é a residência oficial do presidente da República

Palácio da Alvorada

O Palácio da Alvorada, projetado por Oscar Niemeyer, é uma das mais importantes edificações do modernismo arquitetônico brasileiro e o primeiro prédio construído em alvenaria na nova capital. Está localizado numa península que divide o Lago Paranoá em Lago Sul e Lago Norte e abriga a residência oficial do Presidente da República. Em 30 de junho de 1958, com sua inauguração, passou a ser a residência do então Presidente Juscelino Kubitschek .

 Clique aqui para agendar sua visita ao Palácio da Alvorada.

O Palácio tem configuração horizontal arrematada por uma capela que remete às antigas casas de fazenda do Brasil colonial. O formato diferenciado das colunas externas lembram as redes estendidas em varandas, como as que contornavam os casarões coloniais. O desenho das colunas deu origem ao símbolo e emblema presente no brasão do Distrito Federal.

A edificação é composta de:

  • subsolo que abriga um auditório para 30 pessoas, Sala de Jogos, Almoxarifado, Despensa, Cozinha, Lavanderia e a Administração do Palácio.
  • térreo com salões utilizados pelo Presidente da República, para compromissos oficiais de governo.
  • primeiro andar que constitui a parte residencial do Palácio, onde se encontram quatro suítes e salas íntimas.

 

O Palácio tem um espelho d'água, que reflete a imagem da edificação, criando um espaço virtual infinito, complementado com uma escultura em bronze, denominada As Iaras, obra do artista plástico e escultor brasileiro Alfredo Ceschiatti. 

Clique aqui para ver mais imagens do Palácio da Alvorada.

 

Restauração do palácio

As primeiras obras de restauração do Palácio da Alvorada foram iniciadas em dezembro de 2004, durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e finalizadas em março de 2006. Teve supervisão técnica do IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e apoio da Abdib - Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base -  na coordenação captação de recursos de patrocinadores privados. A intervenção respeitou o projeto original, contando com a colaboração do próprio Oscar Niemeyer. O foco principal da restauração foi a infraestrutura que se encontrava em estado de deterioração avançado.