Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 06 > Governo federal aproxima empregadores e candidatos a vagas no mercado de trabalho

Notícia

Governo federal aproxima empregadores e candidatos a vagas no mercado de trabalho

Canal direto para novo emprego

Mais de 221 mil trabalhadores foram contratados em cinco meses de funcionamento do Portal Mais Emprego, que tem atualmente mais de 61 mil vagas nos setores de serviços, agropecuária, indústria e comércio, em todos os estados
por Portal Planalto publicado: 11/06/2015 15h13 última modificação: 12/06/2015 09h50
Elza Fiuza/ Agência Brasil Ofertas de trabalho podem ser conferidas pela internet, sem necessidade de deslocamento

Ofertas de trabalho podem ser conferidas pela internet, sem necessidade de deslocamento

O governo federal estabeleceu uma conexão direta entre empregadores e candidatos a uma vaga no mercado de trabalho. O Portal Mais Emprego reúne informações tanto dos trabalhadores como dos empregadores e possibilita o acesso às vagas existentes, incluindo as do Sistema Nacional do Emprego (SINE), sem precisar se deslocar ou ficar em filas.

O Portal Mais Emprego possibilitou que mais de 221.168 mil trabalhadores retornassem ao mercado de trabalho nos primeiros cinco meses de 2015. “Além da auto-intermediação de mão de obra, o Portal mostra que ainda há empregos disponíveis em todos os estados e com todas as exigências de qualificação”, observou o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias.

Entre essas contratações, 80.221 foram efetivadas no setor de serviços, 68.045 na agropecuária, 40.190 no comércio, 30.091 na indústria e 2.621 no financeiro.

De janeiro a maio de 2015, o Paraná foi o estado brasileiro que mais disponibilizou postos de trabalho por meio do Portal Mais Emprego, com 46.792 vagas, seguido por São Paulo, com 37.998 oportunidades.

Oportunidades abertas

De acordo com dados fornecidos pelo Portal Mais Emprego, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), durante os primeiros cinco meses de 2015, a plataforma ofereceu mais de 800 mil empregos, muitos deles divulgados paralelamente também em outros canais das empresas ofertantes.

As vagas no sistema são atualizadas constantemente. Neste momento estão abertas, em todo o país, 16.871 vagas no setor de indústria e comércio, sendo 12.767 vagas no comércio e 4.104 vagas na indústria nacional. Há ainda outras 29.300 oportunidades concentradas apenas no setor de serviços e 15.245 na agropecuária.

Desde 2011, o país gerou 5,1 milhões postos de emprego formal. Nos últimos 12 anos foram acrescidos 20,5 milhões de postos de trabalho.

Canal permite que empresas disponibilizem vagas de trabalho, e que trabalhadores cadastrem currículo, dentre outros serviços

Relação direta entre trabalhadores e empregadores

O ministro Manoel Dias explicou que a plataforma digital de acesso a emprego implantada por sua pasta “faz parte do projeto de modernização do MTE [Ministério do Trabalho e Emprego], em que todos os serviços prestados passarão a ser digitalizados”. Ele ressaltou que o Portal Mais Emprego “modifica radicalmente a relação entre trabalhadores e empregadores”.

As ofertas de todas as regiões do país podem ser conferidas pela internet, sem necessidade de se dirigir a um posto de atendimento da rede do Sistema Nacional de Emprego. O serviço, totalmente digital, permite que trabalhadores e empregadores estabeleçam uma relação direta. A plataforma oferece também informações sobre o andamento do seguro-desemprego, oportunidades de qualificação profissional e abono salarial.

Para os empregadores, o Portal Mais Emprego oferece informações sobre seguro-desemprego web, disponibilização direta de vagas, inclusão de demandas por cursos profissionalizantes e repasse de dados do Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (CAGED).

Como fazer o cadastro

O Portal Mais Emprego está disponível no endereço http://maisemprego.mte.gov.br/ ou no site do Ministério do Trabalho e Emprego.

Como a ferramenta permite o acesso às vagas do programa Menor Aprendiz, a idade mínima para registro são 14 anos de idade completos.

Entre os documentos a serem informados estão o número da identidade, da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), do Programa de Integração Social (PIS) ou o Número de Identificação do Trabalhador (NIT).

O trabalhador também precisa preencher dados como formação acadêmica, cursos profissionalizantes que tenha concluído, perfil e experiência profissional. Há ainda a possibilidade de informar, no campo ‘pretensão profissional’, até seis ocupações desejadas que serão usadas na busca das vagas existentes.

Feito o cadastro, o próprio candidato pode pesquisar as oportunidades de seu interesse e se candidatar às vagas existentes no Sistema Nacional de Emprego.

Fonte:

Portal Planalto, com informações do Ministério do Trabalho e Emprego e Portal Mais Emprego