Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 06 > 'Cooperação é importante porque EUA são país mais inovador do planeta', afirma Aldo Rebelo

Notícia

'Cooperação é importante porque EUA são país mais inovador do planeta', afirma Aldo Rebelo

Acordo

Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação disse, em coletiva nos Estados Unidos, que o Brasil quer investir na formação de engenheiros e atrair empresas da área de tecnologia de informação para criar centros de pesquisas de alta tecnologia no País
por Portal Planalto publicado: 28/06/2015 23h23 última modificação: 29/06/2015 15h08

 O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, afirmou neste domingo (28) após a reunião da presidenta Dilma Rousseff com empresários em Nova Iorque, que o  Brasil tem objetivos ousados na área de pesquisa, e quer investir na formação de engenheiros, pós-graduação, doutoramento na área de segurança cibernética, e de engenharia de algoritmos. "Queremos atrair empresas da área de tecnologia de informação para criar centros de pesquisas, e empregos de alta tecnologia no Brasil", disse.

O encontro deu início à agenda da presidenta nos Estados Unidos, em que ela será acompanhada também pelos ministros Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Renato Janine Ribeiro (Educação), Nelson Barbosa (Planejamento) e Mauro Vieira (Relações Exteriores). A agenda se estende até quarta-feira (1º) nas cidades de Nova York, Washington e São Francisco. 

Em reunião realizada há aproximadamente duas semanas, representantes dos escritórios de Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil e dos Estados Unidos, além dos principais institutos de pesquisa e organizações de ciência e pesquisa dos dois países firmaram compromissos na área de ciência, tecnologia e inovação e manifestaram suas prioridades. Segundo Rebelo, nesta viagem da presidenta aos Estados Unidos deve haver a assinatura de um documento sobre acordos nesta área.

"Essa cooperação é importante porque os Estados Unidos são o país mais inovador do planeta, são o destino principal no nosso programa Ciência sem Fronteiras, dos nossos pesquisadores. As nossas empresas, assim como as norte-americanas, ligaram as suas estratégias à pesquisa e à inovação, como uma parte importante da manutenção do alcance da competitividade, e isso esteve presente, naturalmente, na reunião de hoje, e foi um dos temas mais abordados pelos empresários", afirmou Rebelo.

 

Áreas de interesse

De acordo com o ministro, o interesse maior é na área de energia renovável e, principalmente, de biocombustível. "O Brasil tem uma ampla tradição de pesquisa e de inovação de biocombustível. Já estamos pesquisando o biocombustível de segunda e de terceira geração, em todo o País, e os Estados Unidos têm muito interesse em acompanhar e em partilhar esse esforço de pesquisa. Não apenas na área de biocombustível, mas também energia solar, energia eólica, armazenamento de energia, baterias. Então, é um interesse muito amplo, que envolve os nossos centros de pesquisa e também as empresas brasileiras e norte-americanas, que trabalham com esse segmento", disse.

O Brasil, para Rebelo, se situa entre os cinco principais mercados para todas as grandes empresas norte-americanas das áreas de informação, e de tecnologia de informação. "Qualquer uma delas tem no Brasil um grande mercado. Uma contrapartida óbvia, naturalmente, é que o Brasil apoia centros de pesquisa dessas empresas no país. O Google tem um centro pesquisa e contrata acho que uns 100 engenheiros em Belo Horizonte. Nós queremos mais, e de outras empresas. E queremos também formar em pós-graduação, na área de engenharia, de segurança cibernética, engenharia de algoritmos, nas principais universidades americanas. Não adianta formar, com o Ciência sem Fronteiras, mestres e doutores, se depois você não insere esses mestres e doutores no sistema continuado, permanente, de pesquisa. Senão, daqui a pouco, o que eles aprenderam já, como em toda a evolução tecnológica, isso passa por uma fase de obsolescência, se você não atualiza. Então, além do Ciência sem Fronteiras para formar, é preciso ter um Ciência sem Fronteiras para pesquisar, para estagiar e para manter o estado da arte em todas essas tecnologias", concluiu.

Fonte:
Portal Planalto, com informações do Blog do Planalto e da TV NBR