Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 06 > Caravana Pátria Educadora pela Igualdade Racial chega a Santa Catarina e ao Rio Grande do Sul

Notícia

Caravana Pátria Educadora pela Igualdade Racial chega a Santa Catarina e ao Rio Grande do Sul

Superação do racismo

Objetivo é incentivar a adesão de estados e municípios ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), para fortalecer ações pela igualdade e contra o racismo no Brasil
publicado: 09/06/2015 19h52 última modificação: 09/06/2015 19h52
Divulgação/Blog do Planalto Ministra Nilma Lino Gomes quer firmar parcerias com estados, municípios e sociedade civil para redução das desigualdades no Brasil

Ministra Nilma Lino Gomes quer firmar parcerias com estados, municípios e sociedade civil para redução das desigualdades no Brasil

Caravana Pátria Educadora pela Promoção da Igualdade Racial e Superação do Racismo, que já passou pelos estados do Pará e do Maranhão em 2015, agora desembarca em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Nilma Lino Gomes, visita os estados entre os dias 8 e 10 de junho, para participar de atividades da iniciativa.

Uma das principais metas da Caravana é incentivar a adesão de estados e municípios ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), para fortalecer a promoção da igualdade racial e de superação do racismo no Brasil.

A iniciativa da secretaria tem o objetivo ainda de estreitar o contato com a população, para reforçar o significado da Política de Promoção da Igualdade Racial no Brasil. A ideia é incentivar a adesão voluntária ao Sinapir, além de firmar parcerias com estados, municípios e sociedade civil, fortalecendo a pauta da igualdade racial em todo o País.

Em Santa Catarina, a ministra esteve na cidade de Joinville durante a manhã desta segunda-feira (8), onde presenciou a solenidade de adesão do município ao Sinapir. Ela reuniu-se  também com gestores locais de promoção da igualdade racial, e participou de uma audiência com o prefeito Udo Döhler.

Na parte da tarde, a ministra seguiu para a capital Florianópolis (SC). Ela se encontrou com a reitora da Universidade Federal de Santa Catarina, Roselane Neckel, e reuniu-se com representantes da sociedade civil para debater iniciativas de promoção da igualdade racial no estado. 

Nesta terça-feira (9), já em Porto Alegre (RS), a ministra participou da VIII Reunião do Pleno do Conselho do Povo de Terreiro do RS e encontrou-se com o vice-presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, Ronaldo Santini. Em seguida, Gomes conversou com representantes da sociedade civil, sobre “Políticas de Ações Afirmativas: O Papel da Educação e as Contribuições da Seppir para a Consolidação do Programa Pátria Educadora”.

Na Assembleia Legislativa também foi assinado um acordo de cooperação com o Governo do Rio Grande do Sul para a inserção do ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana, e as Diretrizes Curriculares Nacionais para as Comunidades Quilombolas no currículo escolar (Lei 10.639/2003).

Nesta quarta-feira (10), a ministra Nilma Gomes encerra a visita da Caravana à região Sul do Brasil com um café da manhã com parlamentares. Em seguida, encontra-se com o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati e, por fim, com gestores locais do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir).

Caravana internacional

Entre os dias 28 de maio e 2 de junho, a ministra Nilma Lino Gomes esteve em Moçambique (África), nas cidades de Nampula e Maputo, para a a primeira versão internacional da Caravana Pátria Educadora pela Promoção da Igualdade Racial e Superação do Racismo.

O governo federal busca, com a internacionalização da Caravana, fortalecer o diálogo com outros países africanos, sobretudo os que têm o português como língua oficial, e da América Latina, para ampliar as possibilidades de cooperação, promovendo a igualdade racial, garantia de direitos e redução das desigualdades.

Objetivos nacionais

O governo federal também procura debater com a população a questão da redução da maioridade penal, e falar sobre possíveis prejuízos e retrocessos que a lei pode trazer pode trazer para a sociedade, sobretudo para a juventude negra, caso seja aprovada no Congresso Nacional. 

Fonte:
Portal Planalto, com informações da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e da TV NBR