Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 05 > Pesquisa mostra que mais de 77% dos brasileiros pretendem viajar pelo País

Notícia

Pesquisa mostra que mais de 77% dos brasileiros pretendem viajar pelo País

Incentivo

De acordo com boletim do Ministério do Turismo referente a abril de 2015, esta é a mais alta intenção de turismo nacional nos últimos 10 anos; setor movimenta 3,7% do PIB nacional
por Portal Planalto publicado: 28/05/2015 18h10 última modificação: 28/05/2015 18h45
Divulgação/Portal da Copa Segundo o MTur, o esporte foi a principal motivação de 5 milhões de viagens domésticas em 2014

Segundo o MTur, o esporte foi a principal motivação de 5 milhões de viagens domésticas em 2014

De acordo com boletim periódico do Ministério do Turismo referente a abril deste ano, 77,4% dos brasileiros pretendem viajar pelo País. Esta é a maior intenção da população de fazer turismo nacional nos últimos 10 anos, de acordo com o órgão. O crescimento foi de 11,2% em relação a abril de 2014.

chamada Pesquisa Intenção de Viagem, realizada mensalmente, aponta três possíveis causas para essa projeção: a alta do dólar, a melhoria dos aeroportos e o número de feriados em 2015. O levantamento é feito com duas mil pessoas em sete capitais brasileiras, que correspondem a 70% do fluxo turístico nacional.

Impulsionado pela Copa do Mundo da FIFA, o setor de turismo foi responsável pela criação de 69 mil vagas de trabalho em 2014,  o que corresponde a 45% do total de novos postos em todo o País no período. Atualmente, o mercado turístico nacional conta com 3 milhões de empregos diretos e mais de 8 milhões indiretos. 

Segundo o ministério, o Brasil está mais preparado para receber turistas. O setor, que movimenta 3,7% do PIB nacional, realizou realizadas 206 milhões de viagens domésticas em 2014, número 2% superior ao de 2013. De acordo com a Embratur, os quatros primeiros meses de 2015 tiveram um crescimento de 9,63%  na oferta de voos dos países da América Latina para o Brasil, em comparação com mesmo período de 2014.

Competitividade

Outro estudo, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial, mostrou que País passou da 51ª para a 28ª posição no ranking de economias mais competitivas do turismo. Os investimentos para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas de 2016 ajudaram o País a saltar 23 posições. O levantamento, que analisa 14 dimensões do turismo e compara 140 países, mostrou que o Brasil aparece na primeira posição da América Latina, dois lugares à frente do México na lista global.

Segundo o Portal da Transparência, o Governo Federal concedeu financiamentos da ordem de R$ 8,97 bilhões para as cidades-sede da Copa 2014, a fim de incentivar o desenvolvimento turístico, construções e reformas de estádios, e também melhoria da mobilidade urbana.

De acordo com dados do Ministério do Turismo, o esporte foi a principal motivação de 5 milhões de viagens domésticas em 2014, geradas principalmente pelo Mundial da Fifa. A Copa 2014 atraiu cerca de 1 milhão de estrangeiros de 203 países e rendeu US$ 1,58 bilhão em divisas para o Brasil.

Para 2016, a expectativa é de que entre 350 mil e 500 mil turistas internacionais visitem o país durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. “A melhoria da posição do Brasil no ranking é ainda mais significativa se considerarmos que a metodologia de avaliação ficou mais rigorosa este ano”, disse o ministro do Turismo, Henrique Alves. “Apesar do avanço, ainda há muito a ser feito, não podemos nos acomodar”, completou. 

Pontos fortes e pontos a se trabalhar
Entre os setores do turismo brasileiro destacados pelo relatório estão os recursos naturais, item no qual o país é o primeiro colocado no mundo. O Brasil também é o oitavo no quesito recursos culturais, 15 posições acima do registrado no relatório anterior, publicado em 2013.

O país também apresentou evolução na infraestrutura aeroportuária (de 48º para 41º), número de estádios (de 63º para 3º), infraestrutura turística (60º para 51º) e competitividade de preços (126º para 81º).

Em alguns quesitos, o Brasil caiu de posição, como por exemplo "abertura internacional". O país desceu da 94ª para a 102ª colocação, principalmente pela exigência de visto de entrada a uma parcela significativa da população mundial. O desempenho nacional também piorou nos itens "ambiente de negócios" (de 119º para 126º) e segurança (de 73º para 104º).

Setor hoteleiro
De acordo com levantamento do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), o setor hoteleiro planeja investir R$ 12,8 bilhões nos próximos seis anos no país. Serão 408 novos empreendimentos até 2020, um crescimento de 65%. O número de quartos disponíveis passará de 94 mil para 164 mil, uma alta de 75%. 

O estudo mostra também que, em 2020, os hotéis serão responsáveis por 100 mil empregos diretos. Os dados evidenciam a tendência de aumento de 10% da participação da categoria de hotéis econômicos na distribuição do mercado, que deve alcançar 40% dos empreendimentos em 2020.

A pesquisa também identificou a tendência de investimento em cidades menores. Atualmente, as cidades com mais de um milhão de habitantes concentram 59% dos hotéis, e a previsão para 2020 é de que esse percentual caia para 47%. Já a concentração de empreendimentos em municípios com até 300 mil habitantes aumentará de 22% para 30%.

Terceira idade
O Ministério do Turismo também divulgou, em março deste ano, que os brasileiros idosos estão viajando mais. De acordo com levantamento do órgão, turistas com mais de 
60 anos fizeram pelo menos 18 milhões de viagens em 2014, um aumento de 11% nos últimos quatro anos.

Fonte:
Portal Planalto, com informações do Portal da Transparência, da TV NBR, da Embratur do Ministério do Turismo