Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 05 > Fibra ótica subaquática e satélites vão ajudar a levar internet para regiões de difícil acesso

Notícia

Fibra ótica subaquática e satélites vão ajudar a levar internet para regiões de difícil acesso

Inclusão

Governo Federal quer chegar a um total de 300 milhões de acessos à banda larga até 2018. Nova fase do Programa Banda Larga para Todos quer garantir o serviço para 95% da população
por Portal Planalto publicado: 12/05/2015 14h13 última modificação: 12/05/2015 16h47
Divulgação/Ministério das Comunicações Berzoini afirmou que o governo quer banda larga para 95% da população

Berzoini afirmou que o governo quer banda larga para 95% da população

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, afirmou nesta terça-feira (12) que existe um estudo das Forças Armadas para instalar fibra ótica subaquática em todos os rios da Amazônia. O projeto deve custar entre R$ 6 bilhões e R$ 8 bilhões, e vai ao encontro da nova fase do Programa Banda Larga para Todos, que tem a meta de chegar a um total de 300 milhões de acessos à banda larga até 2018. 

Segundo o ministro, que falou durante audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado (CCT), o programa visa levar o acesso à internet rápida a 95% da população nos próximos dois anos e meio. "Para localidades onde a fibra ótica não tenha chegado, a ideia é usar satélites. Ano que vem lançaremos um satélite para comunicação militar que ajudará a levar internet para locais onde a fibra ótica não é acessível”, disse Berzoini. 

De acordo com balanço divulgado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Brasil contou com 24,43 milhões de acessos de banda larga fixa no último mês de março, o que representa um crescimento de 7,17% em relação a março de 2014. Isso significa que o serviço estava presente em 36,97% dos domicílios. 

Proposta
Berzoini afirmou que é necessário um
 amplo debate para atualizar a legislação de radiodifusão, para que as concessões no setor sejam agilizadas. "Achamos da maior relevância que o Brasil discuta de maneira democrática, sem preconceito, sem sectarismo, qual é a legislação que pode atender à plena eficácia do que está previsto na Constituição.  A desburocratização vai resultar em mais transparência e menos espaço para influência de caráter político."

Links relacionados
Governo quer banda larga para 95% dos brasileiros
CCT ouve Berzoini sobre regulação da mídia e prioridades do Ministério das Comunicações 

Inclusão
O ministro também destacou a importância das emissoras de televisão comunitárias e públicas como ferramentas de inclusão social no País. “A interatividade é algo que foi definido quando da implantação da TV digital. Temos compromisso de assegurar que essa interatividade seja um instrumento de inclusão social para a população de baixa renda.”

Em março deste ano, o Brasil registrou 19,76 milhões de acessos de TV por assinatura, o que significa quase 30% dos domicílios do país. Segundo a Anatel, no último mês de março foram registrados 1,31 milhão de acessos a mais do que em março de 2014.

A essas iniciativas se somam outras ações do Governo Federal para melhorar a comunicação e conexão dos brasileiros, como o Telefone Popular, que busca universalizar o acesso à telefonia fixa para populações de baixa renda. O programa oferece condições especiais e tarifa reduzida. Segundo a Anatel, em março de 2015 o Brasil possuía 167.336 unidades. 

Satélite
Outra ação do Governo Federal para ampliar a abrangência da internet no país é o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), que vai aprimorar a comunicação dos órgãos de Defesa Nacional e levar a banda larga a municípios com menos de 50 mil habitantes. Com orçamento total de R$ 1,8 bilhão, o projeto está em andamento na França, e tem participação dos ministérios das Comunicações, Defesa, e Ciência e Tecnologia, além das empresas Embraer e Telebras, e a Associação Espacial Brasileira (AEB)

O SGDC terá 5,8 toneladas, ficará posicionado a uma distância de 35.786 km da superfície da Terra, e tem previsão de vida útil superior a 15 anos. O lançamento deve acontecer no segundo semestre de 2016, e marcará a história do país como o primeiro satélite a ser 100% controlado por instituições brasileiras.

 Conheça ações e resultados das iniciativas governamentais para ampliar a cobertura de telecomunicações no Brasil

Fonte:
Portal Planalto, com informações da Agência Brasil, do Ministério das Comunicações, do Programa de Aceleração do Crescimento e da Agência Senado