Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 05 > Brasil e México firmam acordos para ampliar comércio e cooperação industrial

Notícia

Brasil e México firmam acordos para ampliar comércio e cooperação industrial

Relações Internacionais

Mexicanos estão entre os principais investidores estrangeiros no País, com valores que atingem US$ 23 bilhões por ano; 97% das exportações brasileiras ao México são produtos industrializados
por Portal Planalto publicado: 26/05/2015 14h22 última modificação: 26/05/2015 23h12
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Dilma Rousseff e Peña Nieto se reúnem para debater relações bilaterais

Dilma Rousseff e Peña Nieto se reúnem para debater relações bilaterais

A visita de Estado que a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, inicia nesta terça-feira (26) no México será um marco nas relações diplomáticas entre os países. Os presidentes das duas nações assinaram acordos para aprofundar as relações bilaterais, com foco na ampliação do comércio e na cooperação industrial, incluindo ainda setores de serviços aéreos, turismo, agricultura tropical, pesca, aquicultura e meio ambiente.

Brasil e México são as duas maiores economias da América Latina. O comércio entre os dois países dobrou nos últimos dez anos e o Brasil é o segundo país a receber investimentos diretos do México, atrás apenas dos Estados Unidos.

O México investe cerca de US$ 23 bilhões (aproximadamente R$ 71 bilhões) por ano no Brasil. No período de 2006 a 2014, os negócios entre as duas maiores economias da América Latina passaram de US$ 5,7 bilhões para US$ 9 bilhões, sendo que 97% das exportações brasileiras ao México são produtos industrializados.

"Acredito que um momento importante da história recente do Brasil foi o fato de a gente ter construído esta relação [com o México]. E acho que uma parte importante dessa relação tem de ser estreitada", destacou a presidenta Dilma em entrevista ao jornal mexicano La Jornada

Entre os atos de cooperação, a presidenta Dilma e o presidente do México, Enrique Peña Nieto, assinaram um Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI) para fomentar os investimentos e dar mais segurança jurídica aos negócios entre as nações. O acordo também procura incentivar a troca de informações entre os governos e apoiar empresas em processo de internacionalização.

"Esse acordo é significativo porque ele não só ajuda a consolidar investimentos existentes, como cria perspectiva nova de regras, de facilidades para os novos investimentos”, afirma o embaixador Antônio Simões, secretário-geral da América do Sul, Central e do Caribe do Ministério das Relações Exteriores.

Encontro Empresarial

A presidenta Dilma Rousseff e o presidente Peña Nieto participaram também do Seminário Empresarial Brasil-México, que reuniu mais de 270 empresários, sendo 210 mexicanos. Ao fim do encontro, os mandatários apresentaram os resultados dos acordos e as novas perspectivas de intercâmbio comercial.

"Iniciativas nas áreas de meio ambiente, pesca, turismo, agricultura, serviços aéreos, enfim, em todas as áreas de indústria, da área de defesa, pode nos levar a um novo patamar. E eu acredito que é isso que nós queremos hoje garantir. Não é só 'pode levar', é 'levará'", afirmou a presidenta.


Um novo capítulo na relação entre #BrasilMéxico: foi assim que Dilma Rousseff definiu sua 1ª visita de Estado ao país...

Posted by Palácio do Planalto on Segunda, 25 de maio de 2015

Durante o evento, os empresários debateram oportunidades de negócios e mecanismos de cooperação para facilitar o comércio entre as nações. 

O encontro foi organizado em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e o Conselho Empresarial Mexicano de Comércio Exterior, Investimento e Tecnologia (COMCE). 

Acordo Automotivo

Em março deste ano, Brasil e México assinaram a renovação, por mais quatro anos, do acordo automotivo entre os países. A renovação vai permitir que o comércio de veículos automotivos leves entre ambos possa chegar a US$ 1,56 bilhão, sem que seja necessário o pagamento de impostos de importação. Esse valor é válido para o primeiro ano. Depois, será reajustado, anualmente, em 3%.

Em 2012, o setor de automóveis foi responsável por 7,1% das exportações brasileiras para o México. 

Conheça os principais dados sobre o comércio bilateral entre Brasil e México

Fonte:

Portal Planalto, com informações do Ministério das Relações Exteriores e Agência Brasil