Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 05 > Acordo do Governo com indústrias retira 7 mil toneladas de sódio dos alimentos processados

Notícia

Acordo do Governo com indústrias retira 7 mil toneladas de sódio dos alimentos processados

Saúde do brasileiro

Plano Nacional da Redução do Sódio em Alimentos Processados ajudou a reduzir a taxa de internação por hipertensão, que caiu de 105 para 44 pessoas por 100 mil habitantes entre 2001 e 2013
por Portal Planalto publicado: 12/05/2015 19h48 última modificação: 13/05/2015 16h10
Elza Fiuza/ Agência Brasil Ministro Arthur Chioro apresenta os resultados do Plano Nacional da Redução do Sódio em Alimentos Processados

Ministro Arthur Chioro apresenta os resultados do Plano Nacional da Redução do Sódio em Alimentos Processados

Uma parceria do Governo Federal com a Associação das Indústrias da Alimentação (Abia) retirou dos alimentos industrializados 7.652 toneladas de sódio desde 2011. A ingestão de sódio é um dos principais fatores de risco para a incidência da hipertensão arterial, doença que atinge 25% dos brasileiros.

O resultado, anunciado pelo Ministro da Saúde, Arthur Chioro, nesta terça-feira (12), é consequência do Plano Nacional da Redução do Sódio em Alimentos Processados, que visa promover práticas de alimentação mais saudáveis. Embora o índice de incidência de hipertensão esteja estabilizado no Brasil desde 2006, a taxa de internação por hipertensão caiu de 105 pessoas por 100 mil habitantes em 2001 para 44,2 em 2013.

Na segunda fase do acordo, iniciada em 2013, 69 indústrias retiraram 5.793 toneladas de sódio de suas fórmulas, o que representa uma redução média de 10% nos 839 produtos monitorados. Cerca de 95% dos produtos atingiram as metas estabelecidas pelo Ministério da Saúde. No primeiro ano, em 2011, 1.859 toneladas de sódio saíram do mercado.

 As empresas que não alcançaram a meta serão notificadas pelo ministério. O objetivo é retirar do consumo do brasileiro 28.562 toneladas de sódio até 2020. Ao longo dos próximos anos, os índices máximos e médios de sódio presente nos produtos industrializados serão ainda mais reduzidos, assim como as metas estabelecidas pelo Plano.

 Avaliação dos resultados

 O Ministro da Saúde, Arthur Chioro, comemorou o resultado da segunda etapa do Plano, mas destacou que essa é apenas uma parte do caminho para se alcançar a meta do Brasil de reduzir o consumo médio de sódio de 12 gramas (2010) para cinco gramas diárias até 2022.

 “Este resultado é primoroso, mas ainda precisamos reduzir a quantidade de sal adicionada no processo de preparação dos alimentos. É necessária também uma mudança nos hábitos culturais da população”, explicou.

Chioro lembrou que outras ações estão sendo desenvolvidas pelo Governo Federal para conscientizar a população sobre a importância de reduzir o sal na preparação dos alimentos, como o Guia Alimentar para a População Brasileira, o Guia de Boas Práticas Nutricionais, e a Campanha de Redução do Consumo de Sal, desenvolvida em parceria com a Associação Brasileira de Supermercados.

Além disso, por meio do Programa Saúde na Escola, são realizadas ações de promoção à saúde com mais de 18 milhões de alunos do ensino fundamental, que contam com o apoio de 32 mil equipes de Saúda da Família. Em relação ao incentivo da prática de atividade física, destaca-se o Programa Academia da Saúde, que já conta com 1.568 polos com equipamentos e profissionais qualificados.

Consumo de Sal x Hipertensão

Nesta terça-feira, foram divulgados também os resultados relativos à prevalência da hipertensão arterial da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2014).

O levantamento mostrou que dos 25% da população brasileira que afirma ter hipertensão arterial, 27% são mulheres e 23% homens. Esse índice aumenta quanto maior a faixa etária e quanto menor a escolaridade. Quase 60% das pessoas com mais de 65 anos ou mais dizem ser hipertensas. O índice de hipertensão entre as pessoas com menor tempo de estudo (0 a 8 anos) é 1,5 vezes maior que a média nacional.

Um outro dado importante revelado pela Vigitel 2014 é que a percepção do brasileiro em relação ao consumo próprio de sal não é real. Apenas 2,3% dos entrevistados afirmam realizar um consumo muito alto de sal. Entretanto, a Pesquisa do Orçamento Familiar 2008-2009, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que o consumo médio diário no Brasil chega a 12 gramas, enquanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 5 gramas por dia.

A meta do Brasil é alcançar o valor recomendado pela OMS até 2020. Isso representaria a redução dos gastos do SUS e a melhoria da saúde do brasileiro, para reduzir em 15% as mortes por Acidentes Cardiovasculares (AVC) e 10% os infartos. Além disso, 1,5 milhão de pessoas ficariam livres de medicação e a expectativa de vida para os hipertensos aumentaria em quatro anos. 

Confira a apresentação completa do ministro da Saúde.

Acordo do Governo com indústrias retira 7 mil toneladas de sódio dos alimentos processados

Fonte:

Portal Planalto, com informações do Ministério da Saúde e Blog da Saúde