Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > 04 > Mercado de trabalho reage e tem saldo positivo em março

Notícia

Mercado de trabalho reage e tem saldo positivo em março

Emprego e Renda

Foram criados 19.282 novos postos de trabalho, e Ministério do Trabalho e Emprego estima que abril terá melhor resultado
por Portal Planalto publicado: 23/04/2015 17h03 última modificação: 23/04/2015 19h25

O Brasil criou 19.282 novos empregos formais em março de 2015, números divulgados hoje pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego. O resultado interrompe uma sequência de três meses de queda no nível de emprego formal e também é superior ao registrado em março de 2014, quando foram criados 13,2 mil postos de trabalho. E representa acréscimo de 0,05% em relação ao mês anterior.

Os dados foram divulgados pelo ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, nesta quinta-feira (23).

Embora o saldo positivo de março ainda não seja suficiente para superar a redução de emprego nos dois primeiros meses do ano, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) estima que a situação será revertida nos mês de abril.

Em termos setoriais, os dados mostram que dos oito setores da economia, quatro registraram crescimento, com destaque para o setor de Serviços, que gerou 53,8 mil vagas.

Recorte regional

O nível de emprego cresceu em três das cinco grandes regiões do país, são elas: Sul (+0,35%), Sudeste (+0,06) e Centro Oeste (+0,19%). Entre as unidades da federação, 11 delas ampliaram o número de postos de trabalho, com destaque para São Paulo (+0,10%), Rio Grande do Sul (+0,45%), Paraná (+0,37%) e Goiás (0,50%).

 Mais emprego

O Ministério do Trabalho e Emprego colocou à disposição de quem busca uma vaga no mercado de trabalho no último dia 8 o Portal Mais Emprego. O site permite ao cidadão pesquisar e se candidatar às vagas existentes no Sistema Nacional de Emprego (Sine) sem precisar sair de casa.

O sistema também oferece informações sobre o andamento do seguro-desemprego, oportunidades de qualificação profissional e abono salarial.

 Dados do Caged indicam que setores que mais geraram postos de trabalho foram serviços e comércios

Fonte:

Portal Planalto, com informações do Ministério do Trabalho e Emprego