Notícias

Segurança

Brasil pretende reduzir pela metade mortes em acidentes de trânsito

publicado: 31/07/2018 18h07, última modificação: 31/07/2018 18h07
Presidência enviou termo de consulta ao Congresso Nacional para a participação do País em acordos internacionais sobre o tema
Brasil pretende reduzir pela metade mortes em acidentes de trânsito

Mais de 37 mil pessoas morreram nas estradas brasileiras em 2016 - Foto: Arquivo/Agência Brasil

Para comemorar os 20 anos do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e a Década de Ações para Segurança no Trânsito, o Brasil deve ingressar em acordos internacionais para reduzir as mortes e acidentes nas ruas e estradas brasileiras. O termo de consulta sobre o tema foi enviado pelo Executivo nesta terça-feira (31) ao Congresso Nacional.

Prevista nos Objetivos de Desenvolvimento Social das Nações Unidas, a medida pretende reduzir pela metade os acidentes até 2020. Segundo a organização, mais de 1,5 milhão de pessoas morrem por ano no trânsito - a 9ª causa de morte no planeta. No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 37,3 mil pessoas morreram nessas ocorrências em 2016.

Além das mortes, ainda há prejuízos econômicos para os países: cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) é consumido com as consequências dos acidentes. "É nosso dever a preservação da vida (...) sem nenhuma mácula. Os acidentados sofrem muitas vezes lesões irrecuperáveis", alertou o presidente da República, Michel Temer, durante a cerimônia no Palácio do Planalto.

Banco de dados

Dentro do esforço de reduzir as mortes relacionadas à violência nas estradas, o Governo do Brasil vai implementar o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans), que reúne as diretrizes internacionais  sobre o tema. Uma das principais ações dentro do programa é a unificação das informações sobre acidentes fatais de trânsito nos níveis municipal, estadual e federal dentro de um único banco de dados.

"O que celebramos hoje é justamente implementar essa medida [acordo internacional] de maneira científica para que possamos conseguir atingir esses objetivos", explicou o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, em entrevista a jornalistas. "Nós estamos coletando dados de estados para que tenhamos um banco de dados para que possamos adotar uma política pública de trânsito", acrescentou.

Segundo o ministro, até o momento, nove estados já enviaram dados referentes a vítimas fatais de acidentes de trânsito à pasta. A expectativa é que outros entes federativos compartilhem informações com o Executivo dentro dos próximos 90 dias. 

Década

A Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial de Saúde (OPAS/OMS) concentra as ações globais em torno do combate aos acidentes e melhoria da segurança no trânsito. Essas iniciativas configuram a Década de Ações para Segurança no Trânsito, que vai de 2011 a 2020.

No caso do Brasil, o projeto Vida no Trânsito compõe esse rol de ações, e se volta sobretudo para o combate à ingestão de bebidas alcoólicas e alta velocidade nas estradas.

Fonte: Planalto, com informações da ONU, Câmara dos Deputados, Ministério das Cidades e Ministério da Saúde

Reportar erro