Notícia

Nobel da Paz

Temer: abolição das armas nucleares é "compromisso histórico" do Brasil

publicado: 06/10/2017 17h33, última modificação: 26/02/2018 12h03
Governo brasileiro teve importante participação na discussão do tratado para proibir o armamento. Campanha pela abolição da energia para fins não pacíficos é vencedora do Prêmio Nobel da Paz 2017

Em pronunciamento nas redes sociais, o presidente da República, Michel Temer, destacou o papel do Brasil e seu compromisso histórico com a proibição das armas nucleares no mundo. Nesta sexta-feira (6), a Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares (Ican, em inglês) foi anunciada como vencedora do Prêmio Nobel da Paz 2017.

Campanha contra as armas nucleares vence Nobel da Paz 2017

Primeiro País a assinar o Tratado de Proibição de Armas Nucleares das Nações Unidas, o Brasil tem na sua Constituição a proibição do uso de tecnologia nuclear para fins não pacíficos. Na visão de Temer, o compromisso do Brasil contra as armas nucelares mostra o avanço da diplomacia brasileira.

Expresso meu contentamento com a Campanha Internacional para Abolição de Armas Nucleares, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz. pic.twitter.com/ZXasekp0ZM

— Michel Temer (@MichelTemer) 6 de outubro de 2017

Na Organização das Nações Unidas (ONU), os diplomatas brasileiros estavam na dianteira das discussões sobre o tratado, primeiro instrumento multilateral vinculativo negociado em 20 anos para o desarmamento nuclear. Para Temer, o documento preenche uma “lacuna histórica” em esforços para preservar a paz, a segurança e saúde humana.

“Eu tive até a honra de ser o primeiro chefe de Estado a assinar o Tratado, no mês passado, em Nova York”, lembrou. Temer defendeu que os países assinem o tratado e assumam compromissos de desarmamento. “Esse é o caminho para um mundo mais seguro, para a paz duradoura. Seguiremos engajados nesta, que é causa de toda a humanidade”, disse.

Fonte: Planalto

Reportar erro