Notícia

Brasil na ONU

Na ONU, Temer faz defesa de direitos de refugiados

publicado: 19/09/2016 12h16, última modificação: 26/02/2018 12h28
Presidente diz, em discurso durante reunião sobre grandes movimentos de refugiados, na ONU, que os imigrantes são parte da identidade brasileira
Na ONU, Temer faz defesa de direito de refugiados

Ele afirmou que o mundo não pode fechar os olhos para as causas profundas dos fenômenos migratórios - Foto: Beto Barata/PR

O presidente da República, Michel Temer, defendeu soluções negociadas para crises políticas como forma de prevenir migrações em massa. A fala dele ocorreu durante a Reunião de Alto Nível sobre Grandes Movimentos de Refugiados e Migrantes, realizado na manhã desta segunda-feira (19), na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nos Estados Unidos.

“Não podemos fechar os olhos para as causas profundas desses fenômenos”, argumentou o presidente. “Se abrirmos mão da defesa intransigente desses direitos, estaremos abrindo mão de nossa própria humanidade”, afirmou.

Ele lembrou que fluxos de refugiados são o resultado de guerras, de repressão e do extremismo violento. Afirmou, ainda, que as preocupações legítimas dos governos com a segurança de seus cidadãos devem estar em consonância com os direitos inerentes a cada ser humano.

Estrangeiros no Brasil 

O presidente também ponderou que o Brasil é um país que se ergueu com a força de milhões de pessoas de todos os continentes e que valoriza essa diversidade. Os imigrantes, afirmou, deram e continuam a dar contribuição significativa ao desenvolvimento brasileiro. “São parte essencial da nossa identidade”, argumentou.

O presidente lembrou que nas Olimpíada e Paralimpíada do Rio, o Brasil recebeu a primeira delegação de refugiados a competir nos Jogos. Relatou ainda que, nos últimos anos, o País recebeu mais de 95 mil refugiados, de 79 diferentes nacionalidades.

Acolhimento de refugiados

“Temos plena consciência de que o acolhimento de refugiados é uma responsabilidade compartilhada”, afirmou. “Estamos engajados em iniciativas de reassentamento de refugiados de nossa região, com atenção especial para mulheres e crianças”, explicou.

Temer afirmou ainda que no Brasil, mesmo antes do reconhecimento de sua condição migratória, os refugiados têm acesso universal a emprego e a serviços públicos de educação e saúde.

Ele relatou que está em tramitação no Congresso Nacional uma nova lei de migrações. “O nosso objetivo é garantir direitos, facilitar a inclusão e não criminalizar a migração. Nossa lei disporá sobre o visto humanitário, instrumento já utilizado em favor de quase 85 mil cidadãos haitianos”, afirmou.

Fonte: Portal do Planalto

Reportar erro