Notícia

Recuperação econômica

Governo anuncia 40 mil novas unidades no Minha Casa Minha Vida

publicado: 11/08/2016 15h56, última modificação: 26/02/2018 12h28
Também será retomada a construção de 10.609 unidades da faixa I do programa, diz o ministro das Cidades, Bruno Araújo
Governo anuncia 40 mil novas unidades no Minha Casa Minha Vida

Ministro Bruno Araújo destaca que contratações do Minha Casa Minha Vida são reflexo do compromisso do governo federal com a habitação - Foto: Reprodução: NBR

O governo federal anunciou, nesta quinta-feira (11), o início da contratação de unidades habitacionais na faixa 1,5 do programa Minha Casa Minha Vida. Serão 40 mil novas moradias para atender a famílias com renda de até R$ 2.350, com possibilidade de subsídio de até R$ 45 mil e de financiamento de imóveis até R$ 135 mil.

O anúncio foi feito pelo presidente em exercício, Michel Temer, durante evento com representantes da indústria da construção civil, no Palácio do Planalto.

Também presente na solenidade, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, reforçou que a conclusão dessas obras, no menor tempo possível, é fundamental para que o País retome os trilhos do crescimento econômico e que possa, com isso, garantir empregos e dignidade às famílias participantes do programa habitacional.

“[O Minha Casa Minha Vida] é uma conquista de toda a sociedade brasileira como um programa de Estado. Com essas ações, estamos ajudando a recuperar o Brasil de forma firme, numa relação de absoluta credibilidade mantida entre o Estado brasileiro, e a sociedade participa dessa recuperação”, afirmou Bruno Araújo, durante discurso no Palácio.

Para a faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida serão destinados recursos na ordem de R$ 3,8 bilhões. Desse montante, R$ 1,4 bilhão virá por meio de subsídios – dos quais R$ 1,26 bilhão pelo FGTS e R$ 140 milhões pelo Tesouro Nacional – e outros R$ 2,4 bilhões serão repassados por meio de financiamentos pelo FGTS.

Também na manhã desta quinta-feira (11) foi anunciada a retomada das obras de construção de 10.609 unidades na faixa 1 do programa, que destina empreendimentos habitacionais a famílias com renda mensal bruta de até R$ 1.800,00. Neste ano, o governo já tinha retomando a contratação de 4,2 mil unidades. E a ideia é que outras 35,3 mil unidades que ainda estão paralisadas nesta faixa também sejam retomadas nos próximos dez meses, frisou o ministro das Cidades.

Bruno Araújo destacou, ainda, que as contratações anunciadas são reflexo do compromisso do governo federal com a habitação para a população de baixa renda e da forma responsável que a atual gestão vem tratando as políticas sociais. Ele apontou também que, em 90 dias de governo, os compromissos com a iniciativa privada foram honrados e não se deve “um único real a um parceiro que construa habitação popular neste País”.

Fonte: Portal Planalto

Reportar erro