Notícia

Rio 2016

Picciani: “expectativa é ter a melhor campanha em Jogos na história”

publicado: 13/07/2016 14h12, última modificação: 26/02/2018 12h28
Após cerimônia no Palácio do Planalto com delegação de 60 atletas, ministro dos Esportes reforça preparação do Brasil “como nunca havia sido feito” e comenta legado olímpico
Picciani: “expectativa é ter a melhor campanha em Jogos na história”

Cerimônia de apresentação da Delegação de Atletas Olímpicos - Foto: Foto: Beto Barata/PR

A 23 dias do início dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o Brasil já pode comemorar os resultados alcançados na preparação dos atletas e na organização do torneio. Seja qual for o desfecho das competições que serão realizadas nas arenas, uma avaliação já é certeira: nunca antes o País se preparou tanto para participar de um evento desse porte.

“Fizemos uma preparação para esse ciclo olímpico como nunca havia sido feito. Portanto, nós temos a expectativa de ter, no Rio de Janeiro, a melhor campanha do Brasil nas edições dos Jogos Olímpicos”, disse o ministro dos Esportes, Leonardo Picciani. A declaração do ministro ocorreu após cerimônia no Palácio do Planalto com o presidente em exercício, Michel Temer, que recebeu uma delegação de 60 atletas.

Apenas para a preparação dos atletas, o governo federal investiu mais de R$ 1 bilhão nos últimos quatro anos.

Picciani reforçou que esses recursos permitem que as preparações para os próximos ciclos olímpicos sejam ainda melhores em razão da evolução dos atletas e das novas instalações esportivas e centros de treinamentos construídos para os Jogos no Rio de Janeiro.

Segurança

O ministro dos Esportes comentou, ainda, a liberação de R$ 78 milhões pelo governo federal para serem investidos na segurança dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Segundo ele, a verba permite que as Forças Armadas assumam parte da tarefa de segurança pública do evento.

“Com essa verba, as Forças Armadas cuidarão do patrulhamento ostensivo de áreas da cidade onde ocorrerão eventos olímpicos, de vias expressas e também no policiamento marítimo”, disse Picciani.

Reportar erro