Notícias

Caminhoneiros

Temer anuncia novo acordo para acabar com paralisação de caminhoneiros

publicado: 27/05/2018 22h24, última modificação: 29/05/2018 12h36
Presidente da República atende a demandas da categoria e decide por redução de R$ 0,46 no diesel por 60 dias e preço mínimo para frete após se reunir com lideranças da categoria
Alan Santos/PR

Em pronunciamento feito na noite deste domingo (27), o presidente da República, Michel Temer, anunciou um novo acordo com os caminhoneiros. A proposta é reduzir o preço do óleo diesel em 46 centavos até o fim do ano, valor equivalente a Cide e o PIS/Cofins que incide sobre o combustível. Com essa redução, a Petrobras só poderá voltar a reajustar o preço depois de 60 dias, quando começa a valer uma nova política de reajuste. A anterior permitia mudanças diárias e, a partir do fim desse prazo, elas serão feitas a cada 30 dias. O governo também dará isenção da cobrança do eixo suspenso nos pedágios de rodovias federais, estaduais e municipais.

Além dessas medidas, continua a valer o que o governo havia oferecido anteriormente, no primeiro acordo fechado com a categoria. “Avançamos na implantação de muitas medidas, diante da necessidade do movimento de encerrar a paralisação”, disse o presidente. “Passamos essa semana voltados para atender às reivindicações dos caminhoneiros e preocupado com cada brasileiro e brasileira que enfrentou dificuldades nesses dias”, afirmou.

O presidente ainda detalhou as medidas. Explicou que, no caso da redução de R$ 0,46 no diesel, não haverá prejuízo para a Petrobras. O governo vai cobrir a diferença para não comprometer as condições de funcionamento da companhia. “A Petrobras recuperou-se nesses últimos dois anos e não é possível criar dificuldades operacionais e de recursos que retire dela o grande prestígio nacional e internacional que recuperou nesses últimos dois anos.”

Medidas provisórias

Temer relatou que também vai editar uma medida provisória para que seja cumprida em todo o território nacional a isenção da cobrança do eixo suspenso nos pedágios de rodovias federais, estaduais e municipais.

Uma segunda medida provisória vai ser editada para garantir aos caminhoneiros autônomos 30%, no mínimo, dos fretes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Uma terceira medida provisória vai criar a tabela mínima de frete, conforme prevista no projeto de lei 121, que está em análise no Senado Federal.

“Estou sensibilizando os caminhoneiros do Brasil. Entendo suas naturais reivindicações e angústias e estamos providenciando todas essas medidas”, afirmou. O presidente disse também que as medidas atendem a todas reivindicações que foram apresentadas ao governo. “Por isso eu quero manifestar minha plena confiança, confiança do governo num espírito de solidariedade e de patriotismo de cada um daqueles caminhoneiros que servem ao nosso país”, disse.

 

Fonte: Planalto