Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 12 > Governos brasileiro e boliviano assinam acordos nas áreas de segurança e transportes

Notícia

Governos brasileiro e boliviano assinam acordos nas áreas de segurança e transportes

Diplomacia

Atos foram assinados durante cerimônia no Palácio do Planalto e buscam aumentar policiamento nas fronteiras e melhorar a infraestrutura entre os países
por Planalto publicado: 05/12/2017 15h18 última modificação: 05/12/2017 16h16
Marcos Corrêa/PR Michel Temer recebeu o presidente boliviano Evo Morales, no Palácio do Planalto

Michel Temer recebeu o presidente boliviano Evo Morales, no Palácio do Planalto

Como forma de intensificar as relações e gerar desenvolvimento econômico e social, os governos brasileiro e boliviano firmaram novos acordos bilaterais nesta terça-feira (5). Foram assinados atos para reforçar a segurança nas fronteiras e melhorar a integração de infraestrutura entre as nações.

Recepcionado pelo presidente da República no Palácio do Planalto, Michel Temer, o presidente da Bolívia, Evo Morales, primeiro participou de uma reunião bilateral ampliada. Depois da reunião e assinatura de atos diplomáticos, o Governo do Brasil ofereceu um almoço para a delegação boliviana no Palácio Itamaraty.

O primeiro acordo foi assinado entre o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, e o ministro boliviano Milton Claros Hinojosa. O ato busca melhorar o tráfego ferroviário entre o Brasil e a Bolívia com o projeto “Corredor Ferroviário Bioceânico de Integração”, estabelecendo formas para melhorar e aproveitar a infraestrutura que liga os dois países.

Já o segundo ato é um esforço para aumentar a segurança nas fronteiras entre Brasil e Bolívia. Por meio da cooperação policial, o objetivo é fortalecer a prevenção e combate ao crime organizado, assim como o terrorismo, tráfico de drogas e armas, roubo de veículos, entre outros. Esse esforço é uma prioridade entre os países, já que a fronteira com a Bolívia soma 3,4 mil quilômetros de extensão.

Fonte: Planalto, com informações do Itamaraty