Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 09 > Presidente sanciona nova política de juros para empréstimos do BNDES

Notícia

Presidente sanciona nova política de juros para empréstimos do BNDES

Política monetária

Taxa de Longo Prazo (TLP) valerá para as operações autorizadas a partir de 2018. Lei prevê transição pelos próximos anos
por Portal Planalto publicado: 22/09/2017 17h23 última modificação: 22/09/2017 17h32

O presidente da República, Michel Temer, sancionou na íntegra a Lei 13.483/2017, que estabelece uma nova política para as operações de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A partir de 2018, a Taxa de Longo Prazo (TLP) substituirá a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).

Elaborada pelo governo, a TLP terá juros mais próximos às taxas cobradas por bancos privados e será calculada com base em juros de mercado, mais a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A sanção da nova lei representa uma grande mudança na política de juros do BNDES e deve ter impactos positivos nas políticas fiscal e monetária.

A TLP vai incorporar a média trimestral dos rendimentos das Notas do Tesouro Nacional (NTN-B), com prazo de cinco anos de resgate. O texto prevê uma transição de cinco anos entre a TJLP e a TLP: em 2018, as duas taxas serão equivalentes e o Conselho Monetário Nacional (CMN) definirá novos índices para os quatro anos seguintes.

Equilíbrio das contas

A TJLP, atualmente fixada em 7% ao ano, tem sido uma das grandes fontes de recursos para a execução de obras de infraestrutura. Revisada a cada três meses pelo CMN, a taxa é abaixo dos juros cobrados no mercado. Por essa razão, o Tesouro Nacional acaba tendo de desembolsar mais dinheiro  na prática, funcionando como um subsídio a quem pede emprestado para o BNDES.

Com o aumento da compensação dada pelo Tesouro Nacional, o equilíbrio das contas públicas acabou afetado. A nova taxa vai diminuir essas distorções, evitar o endividamento excessivo da União e atrair mais investidores em projetos de longo prazo. No futuro, a diferença entre o que é desembolsado pelo Tesouro Nacional e o custo dos empréstimos do BNDES será eliminada, ampliando a atuação do banco.

Fonte: Portal Planalto, com informações do Senado Federal e do Banco Central