Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 09 > Após Pequim, Temer participa do Brics em Xiamen; entenda como funciona o grupo

Notícia

Após Pequim, Temer participa do Brics em Xiamen; entenda como funciona o grupo

Brasil no Brics 2017

Grupo diplomático busca facilitar acordos comerciais em países em desenvolvimento
por Portal Planalto publicado: 02/09/2017 13h20 última modificação: 04/09/2017 10h21

Após realizar visita de Estado em Pequim, na China, o presidente da República, Michel Temer, segue para Xiamen, onde participa da 9ª reunião de cúpula do Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. 

O que é Brics?

Formado por países com economias em expansão, o Brics é um importante organismo que procura fomentar o desenvolvimento entre seus países-membros e outras nações em desenvolvimento.

Como o Brics ganhou relevância?

É um mecanismo internacional cuja nomenclatura foi inicialmente criada por economistas e cientistas políticos para identificar países emergentes com potencial de se equiparar economicamente a potências globais.

No entanto, o crescimento econômico e a relevância cada vez maior desse conjunto de países resultou no fortalecimento de suas relações bilaterais e, posteriormente, na transformação em um mecanismo internacional, com caráter diplomático.

O Brics constitui um bloco econômico?

Não. Embora o grupo tenha caráter diplomático, o Brics não constitui um bloco econômico porque não possui integração político-econômica como é o caso do Mercosul e da União Europeia, por exemplo.

Como o grupo atua?

Por meio de acordos bilaterais e tratados de comércio, o Brics procura impulsionar entre seus países-membros o desenvolvimento mútuo em áreas estratégicas com o objetivo de gerar crescimento econômico e diminuir a pobreza entre os países em desenvolvimento.

Em 2014, por exemplo, foi anunciada a criação do banco do Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento, uma das principais iniciativas do grupo. A medida tem como objetivo mobilizar recursos para desenvolver projetos de infraestrutura entre as nações que constituem o grupo.

Fonte: Portal Planalto, com informações do Ministério das Relações Exteriores