Notícia

Gestão

Novo ministro vai trazer energia e dedicação à gestão da Cultura, diz Temer

publicado: 25/07/2017 13h41, última modificação: 26/02/2018 12h28
Em cerimônia de posse de Sérgio Sá Leitão, presidente afirmou que tem confiança na competência e dinamismo do gestor
Cultura brasileira tem potencial para ser a primeira da América Latina, diz Temer

Presidente da República afirmou estar confiante na “dedicação e talento” do novo gestor do MinC

O presidente da República, Michel Temer, participou, nesta terça-feira (25), da cerimônia de posse do novo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, e expressou confiança e otimismo no trabalho do gestor. “É com grande satisfação que lhe dou posse, pois vai trazer ao nosso governo muita energia, talento e dedicação”, afirmou.

Temer destacou a trajetória e a experiência de Leitão na gestão pública e no setor cultural do País. Antes de tomar posse, o ministro ocupava a direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Ele foi também diretor-presidente da RioFilme de 2009 a 2015 e já coordenou a criação do Departamento de Cultura no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). 

“Ele vai enriquecer enormemente o governo com sua competência e dinamismo já comprovados”, elogiou o presidente.

Durante a posse, o novo ministro destacou a importância e relevância econômica do setor cultural brasileiro. “Atividades culturais e criativas respondem por 2,6% do PIB [Produto Interno Bruto], empregam 900 mil profissionais e reúnem 251 mil empresas, com média salarial e taxa de crescimento que, nos últimos anos, correspondem ao dobro da média da economia do País”, ressaltou.

De acordo com Leitão, é necessária uma “recomposição orçamentária” para manter o funcionamento adequado das instituições federais de cultura. “Farei o possível para reduzir custos e aumentar receitas, por meio de um choque de gestão. Pretendo também desburocratizar o MinC, aumentar sua eficiência e instituir mecanismos de mensuração e avaliação de resultados”, garantiu.

Sérgio Sá Leitão já foi membro do Conselho Petrobras Cultural, vice-presidente da Comissão Interamericana de Cultura (OEA) e vice-presidente da Associação das Distribuidoras Brasileiras (Adibra). Participou da criação do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e da elaboração da Lei 12.485, que regulamenta a TV paga no Brasil.

Fonte: Portal Planalto, com informações do MinC