Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 07 > À frente do Mercosul, Brasil vai lutar por maior integração global

Notícia

À frente do Mercosul, Brasil vai lutar por maior integração global

Brasil no Mercosul

Na presidência do bloco comercial, País buscará avanço em negociações comerciais. Ministro espera reinserção do Brasil no cenário mundial
por Portal Planalto publicado: 20/07/2017 17h56 última modificação: 02/08/2017 15h35
Arquivo EBC Para ministro, o momento é de inserção do Brasil no cenário externo

Para ministro, o momento é de inserção do Brasil no cenário externo

Em julho, o Brasil receberá da Argentina a presidência pro-tempore do Mercosul, função que exercerá durante restante do ano. A mudança ocorre em meio aos esforços do governo federal de reinserir o País no cenário global e será importante para abrir novos mercados e tornar os países do bloco comercial mais competitivos no comércio exterior.

Para o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Pereira, a presidência do Brasil no Mercosul ajudará a acelerar negociações comerciais em andamento. “[Com] o Brasil assumindo a presidência pro-tempore a partir de agora, nós vamos dar continuidade a essas negociações e impulsioná-las”, afirmou, em entrevista ao Portal Planalto.

Segundo ele, o Brasil se esforçará no avanço do diálogo entre os países do Mercosul nas negociações com o Canadá, Coreia do Sul, Japão e a União Europeia, e vai impulsionar esses acordos. “É o momento do Brasil voltar a se abrir para o mundo e voltar a estar conectado com o mundo”, comentou.

Mais abertura

De acordo com o ministro, o Brasil vem sendo criticado nos últimos anos por tomar ações protecionistas, algo que o governo federal tenta reverter atualmente. “Estamos trabalhando para reinserir o Brasil no cenário internacional, sobretudo no cenário do comércio, que foi muito fechado, muito criticado”, apontou.

Nesta sexta-feira (21), a cúpula do Mercosul se reunirá na Argentina, ocasião na qual o governo brasileiro ressaltará a prioridade de negociações comerciais, em especial com a União Europeia, e a integração do bloco comercial latino-americano com o restante do mundo.

Fonte: Portal Planalto