Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 06 > Respeito e harmonia garantem agenda de reformas no País, diz Temer

Notícia

Respeito e harmonia garantem agenda de reformas no País, diz Temer

Retomada do crescimento

Em pronunciamento nas redes sociais, presidente ressalta que o Estado Democrático de Direito não admite ilegalidades sob qualquer justificativa ou motivo
por Portal Planalto publicado: 12/06/2017 18h10 última modificação: 13/06/2017 15h29
portal planalto
Beto Barata/PR Presidente da República gravou pronunciamento para as redes sociais

Presidente da República gravou pronunciamento para as redes sociais

Em vídeo publicado nas redes sociais nesta segunda-feira (12), o presidente da República, Michel Temer, afirmou que a continuidade da agenda de reformas do governo é resultado do respeito mútuo, da harmonia e do diálogo constante mantido entre os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

“Nas democracias modernas, nenhum poder impõe sua vontade ao outro. O único soberano é o povo, e não um só dos Poderes. E muito menos aqueles que, eventualmente, exerçam o poder”, disse o presidente da República, ressaltando o princípio constitucional da independência e harmonia entre os Poderes.

Na visão de Temer, as reformas promovem a modernização das relações trabalhistas e corrigem um sistema previdenciário injusto e desigual. "Combatendo todos os privilégios, justamente no momento em que saímos da mais grave crise econômica da nossa história”, disse.

O presidente ainda destacou que continuará trabalhando pela retomada do crescimento econômico e pela modernização do País. “Não vou esmorecer. Seguirei liderando o movimento em favor da aprovação da agenda de reformas econômicas, políticas e sociais que está recolocando o Brasil no caminho da prosperidade e do crescimento”, completou.

Instituições

Temer ressaltou que o Estado Democrático de Direito não admite que as instituições públicas cometam ilegalidades sob qualquer justificativa ou motivo. “Na democracia, a arbitrariedade tem nome: chama-se ilegalidade. O caminho que conduz da justiça aos justiceiro é o mesmo caminho trágico que conduz da democracia à ditadura. Não permitirei que o Brasil trilhe esse caminho”, ressaltou.

Fonte: Portal Planalto