Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 06 > Embaixador do Reino Unido defende ampliação do investimento no Brasil

Notícia

Embaixador do Reino Unido defende ampliação do investimento no Brasil

Diplomacia

Investimento do país europeu no setor produtivo brasileiro soma US$ 378 milhões nos primeiros quatro meses do ano. Saldo comercial passa dos US$ 5 bilhões
por Portal Planalto publicado: 26/06/2017 19h55 última modificação: 27/06/2017 10h56
Marcos Corrêa/PR Vijay Rangarajan foi escolhido para o cargo em novembro do ano passado

Vijay Rangarajan foi escolhido para o cargo em novembro do ano passado

Após entregar suas cartas credenciais ao presidente da República, Michel Temer, nesta segunda-feira (26), o embaixador da Grã-Bretanha e Irlanda do norte no Brasil, Vijay Rangarajan, defendeu a ampliação do fluxo de investimento entre os dois países. Temer recebeu diplomatas de 13 nações no Palácio do Planalto.

“Com as empresas grandes e pequenas do Reino Unido, devemos fortalecer os investimentos aqui no Brasil, em matéria de indústria. Em agricultura também, porque o Brasil, com certeza, tem um poder enorme na agricultura internacional”, disse o embaixador, em entrevista ao Portal Planalto.

Para o diplomata, indicado ao cargo em novembro do ano passado, o comércio e o investimento bilaterais devem aumentar. Como resultado, haverá crescimento das economias e do emprego, especialmente em áreas de energia renovável, petróleo, gás, solar e biocombustíveis.

O investimento do Reino Unido no setor produtivo brasileiro soma US$ 378 milhões nos primeiros quatro meses do ano. “Isso trará crescimento de nossas economias e do emprego. Somos o quarto maior investidor aqui no Brasil”, avaliou.

Balança comercial

Em 2016, o Brasil exportou para o mercado britânico cerca de US$ 2,8 bilhões em produtos e importou US$ 2,3 bilhões, com superávit de US$ 540 milhões para o Brasil.

Os principais produtos brasileiros exportados foram ouro, minério de ferro, café, soja e carnes. Compramos, em 2016, do Reino Unido, principalmente, medicamentos para medicina humana e veterinária, automóveis, gasolina e compostos heterocíclicos.

Fonte: Portal Planalto