Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 05 > Com presença de Temer, prefeitos participam de marcha em defesa dos municípios

Notícia

Com presença de Temer, prefeitos participam de marcha em defesa dos municípios

Pacto federativo

Cerca de 6 mil pessoas são esperadas em Brasília para discutir temas relacionados às prefeituras e às reformas em discussão no Congresso
por Portal Planalto publicado: 16/05/2017 08h00 última modificação: 15/05/2017 21h52
Marcos Corrêa/PR Paulo Ziulkoski é o presidente da Confederação Nacional dos Municípios

Paulo Ziulkoski é o presidente da Confederação Nacional dos Municípios

Evento que promete reunir cerca de 6 mil pessoas entre prefeitos, vice-prefeitos, secretários e vereadores, a 20ª edição da Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios começa nesta terça-feira (16) com a presença do presidente da República, Michel Temer. A solenidade de abertura está marcada para às 9h, no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília.

Ao Portal Planalto, o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, destacou como “muito importante” e “simbólica” a presença do presidente Temer. De acordo com ele, a entidade participa de um diálogo “muito positivo” com o governo federal sobre o pacto federativo. Por conta da crise econômica, os municípios têm dificuldades em cumprir as competências previstas em lei.

“Isso está gerando um desajuste nas contas públicas, afetando tudo que é área: saúde, educação, assistência social, agricultura, estrada, saneamento, enfim. Tudo isso está na pauta de discussões com o governo”, explicou o presidente da CNM, entidade responsável por promover anualmente o encontro na capital federal.

Renegociação

Uma das maiores expectativas dos prefeitos, segundo Ziulkoski, envolve o endividamento previdenciário dos municípios e a ampliação do prazo de parcelamento da dívida com o INSS. Segundo o presidente da CNM, a renegociação é de importância vital para os cerca dos 2 mil municípios que têm fundo próprio de Previdência. “É uma dívida bastante grande — hoje ela está em R$ 75 bilhões — e cerca de 4 mil municípios têm algum tipo de dívida nessa composição”, disse.

Fonte: Portal Planalto