Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 04 > Reforma trará igualdade e acabará com privilégios, afirma Temer

Notícia

Reforma trará igualdade e acabará com privilégios, afirma Temer

Previdência

Em artigo publicado nesta quarta-feira, presidente da República defendeu a necessidade de mudar o sistema previdenciário como forma de manter direitos e benefícios
publicado: 19/04/2017 13h09 última modificação: 19/04/2017 15h40

O presidente da República, Michel Temer, defendeu a reforma da Previdência como forma de trazer igualdade e acabar com privilégios no sistema brasileiro de aposentadorias e pensões. Em artigo publicado nesta quarta-feira (19), Temer disse ser “imperioso” adaptar o regime à realidade demográfica e reforçar a justiça social dos benefícios.

No artigo, o presidente explica não ser possível permitir que os mais de 60% dos contribuintes da Previdência, que ganham menos, continuem financiando privilégios de uma minoria. “Estamos fazendo uma reforma que trará mais igualdade para todos. A Previdência será mais justa com os mais pobres. E mais rígida com os mais ricos”, escreveu o presidente.

Intitulado “Reforma é justiça social”, o texto também reforça a necessidade de o sistema previdenciário se adaptar à atual condição demográfica brasileira. O número de idosos tem aumentado, enquanto o de jovens, diminuído. No atual ritmo, em 2050, haverá mais beneficiários do que contribuintes na Previdência.

Temer lembrou que quem já se aposentou ou já adquiriu os direitos para se aposentar não será incluído nas novas normas da reforma. “O que nós estamos fazendo é em favor do futuro, para garantir a higidez das contas públicas, para garantir que os aposentados atuais continuem a receber suas pensões”, afirmou.

Para o presidente, os ajustes feitos no texto original estão em “consonância com as aspirações populares”. As mudanças ocorreram após deputados ouvirem suas bases e repassarem as demandas da população ao governo. “Os parlamentares, em suas adequações, atendem, como é a nossa intenção, precisamente aqueles mais vulneráveis.”

Fonte: Portal Planalto