Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 04 > Brics deve investir em projetos nas cidades brasileiras, diz presidente do banco

Notícia

Brics deve investir em projetos nas cidades brasileiras, diz presidente do banco

Retomada do crescimento

Em encontro com Temer, presidente do Novo Banco de Desenvolvimento sugere atuação conjunta com outras instituições de fomento de países sul-americanos para desenvolver economias locais
por Portal Planalto publicado: 26/04/2017 18h53 última modificação: 27/04/2017 11h46
Reprodução/Portal Planalto

O presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, Kundapur Vaman Kamath, afirmou, nesta quarta-feira (26), que a instituição financeira tem interesse em financiar projetos de desenvolvimento urbano em municípios brasileiros e atuar nos projetos de concessões em infraestrutura. Criada em 2014, a instituição também é conhecida como o Banco do Brics e pela sigla NBD. 

Kamath participou de uma reunião com o presidente da República, Michel Temer, no Palácio do Planalto. “Estamos olhando para várias opções no Brasil e uma área específica é o trabalho com prefeituras”, disse o presidente do banco. Em entrevista ao Portal Planalto, ele disse que também participou de reuniões com o ministro da Secretaria de Governo, Moreira Franco, que é responsável pelo projeto Crescer e pelo Programa de Parceria de Investimentos (PPI).

Segundo Kamath, há o interesse do banco em participar da nova onda de investimentos de longo prazo no Brasil, que serão capitaneadas pelos leilões de infraestrutura e de concessões de obras públicas. “Também tratamos sobre o programa de concessões que vem sendo conduzido [pelo governo brasileiro], para verificar como poderíamos participar [desses projetos].”

O presidente do NBD também afirmou que a instituição vem buscando desenvolver parcerias com outros bancos de desenvolvimento regionais, como o Development Bank of Latin America (CAF) e o Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata), para identificar oportunidades de atuação na América do Sul.

Fonte: Portal Planalto