Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 04 > A reforma da Previdência é uma "necessidade indispensável", diz Temer

Notícia

A reforma da Previdência é uma "necessidade indispensável", diz Temer

Gestão

Em entrevista à TV Band, o presidente da República afirmou que as novas regras para a Previdência podem gerar economia de até R$ 600 bilhões em 10 anos
por Portal Planalto publicado: 16/04/2017 09h00 última modificação: 17/04/2017 13h53

O presidente da República, Michel Temer, afirmou, neste sábado (15), que a reforma da Previdência proposta pelo governo federal é uma necessidade indispensável, sob pena de comprometer a saúde financeira do País de forma definitiva, como aconteceu com Grécia e Portugal nos últimos anos.

"Então a Previdência é uma necessidade indispensável, sob pena de daqui a três, quatro, cinco anos nós termos que se fazer o que se fez na Grécia, Portugal, cortar salário dos funcionários, 20, 30%, cortar aposentadorias, pensões. Nós temos que tomar cuidado com isso", disse o presidente, em entrevista à TV Band.

Segundo o presidente, as novas regras propostas pelo governo federal trarão uma economia de até R$ 600 bilhões nos próximos dez anos, pois são amparadas pelo princípio da igualdade, estabelecendo 25 anos de contribuição e idade mínima de 65 anos para se aposentar. “Hoje, por exemplo, no funcionalismo público, se aposenta com cinco anos a menos do que os trabalhadores em geral, de igual maneira a classe política”, disse o presidente.

Temer também afirmou que ainda estão sendo aprimorados alguns pontos da proposta, e garantiu que está dialogando com o Congresso Nacional para estabelecer “(regras de) transição mais suaves que, em poucos anos, cheguem aos 65 anos.”

Além de buscar o equilíbrio nas contas públicas, a reforma da Previdência é essencial para a manutenção de programas de governo. "Nós temos programas sociais importantíssimos que dependem muito da rigidez orçamentária. Se nós não tivermos a redução do déficit da Previdência, daqui a pouco não temos programas sociais, não temos investimentos, o que seria do Brasil?”, pontuou.

Medidas

O presidente citou medidas do seu governo de desburocratização da máquina administrativa e de fortalecimento de programas sociais como bases para a estabilização da economia e a volta do crescimento.

Entre as ações estão a revalorização do Bolsa Família em 12,5%, depois de mais de dois anos sem reajuste; a autorização para construção de 600 mil moradias do Minha Casa Minha Vida em 2017; e a liberação de contas inativadas do FGTS, o que deve injetar R$ 41 bilhões na economia brasileira.

Temer ainda citou a abertura de 75 mil vagas de financiamento estudantil pelo FIES; a legislação que possibilita a regularização fundiária nas cidades e no campo; a renegociação de dívidas de produtores rurais; e ainda as novas regras do cartão de crédito, que beneficiam o consumidor.

Finalizou a entrevista desejando uma feliz Páscoa para todos os brasileiros. “Páscoa é travessia. Nós estamos atravessando momentos difíceis, vamos atravessá-los e vamos ter sucesso lá na frente”, finalizou.  

Fonte: Portal Planalto