Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 03 > Temer: medidas permitiram reação em “tempo curtíssimo” contra recessão

Notícia

Temer: medidas permitiram reação em “tempo curtíssimo” contra recessão

Crescimento econômico

Em discurso a empresários, Temer ressaltou papel das reformas econômicas para o crescimento da economia
por Portal Planalto publicado: 17/03/2017 14h10 última modificação: 17/03/2017 14h31

O presidente da República, Michel Temer, afirmou, nesta sexta-feira (17), que as medidas tomadas pelo governo federal possibilitaram uma reação em “tempo curtíssimo” da economia brasileira contra a recessão dos últimos dois anos. Na visão dele, “futuro do País” depende das reformas econômicas e do retorno do otimismo.

Ao participar da reunião do Comitê de Líderes da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), em São Paulo, o presidente da República lembrou que a inflação deve ficar abaixo do centro da meta estipulada pelo Banco Central. Além disso, a taxa de juros deve continuar em queda. E, pela primeira vez em 22 meses, houve saldo positivo na criação de empregos.

Índices

“Nós estamos começando a restabelecer a confiança no País”, afirmou Temer. “A inflação caiu de 10,7% para, no fim do ano, 6,29%, e hoje está em 5%. (...) Isto em um tempo curtíssimo”, destacou o presidente. No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação oficial está em 4,76%, próximo à meta perseguida pelo Banco Central (BC), de 4,5%.

Para o presidente, os índices mostram sinais da retomada do crescimento por conta das medidas tomadas pelo governo, como a aprovação do teto de gastos públicos, a desburocratização do ambiente de negócios e a readequação das leis trabalhistas, atualmente analisada por uma comissão especial da Câmara dos Deputados.

Empregos

Temer reservou o final do discurso para chamar atenção à reação do mercado de trabalho, que voltou a abrir vagas após 22 meses seguidos de resultados negativos. De acordo com o presidente, o resultado surpreendeu o governo federal, visto que a reação do emprego só era esperada no segundo semestre deste ano.

Nesta quinta-feira (16), dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostraram um saldo positivo de 35.612 novos postos que foram criados em fevereiro, marcando, também, o melhor resultado para o mês desde 2014.

Fonte: Portal Planalto

registrado em: , ,
Assunto(s): Economia