Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 03 > Temer alerta para “paralisação” do Brasil sem reforma da Previdência

Notícia

Temer alerta para “paralisação” do Brasil sem reforma da Previdência

Aposentadoria

Sem mudanças no atual sistema, País ficará sem dinheiro para custear programas sociais e repasses para educação e saúde
por Portal Planalto publicado: 29/03/2017 16h04 última modificação: 29/03/2017 18h57
Rogério Melo/PR Presidente da República, Michel Temer, durante o 10° Brazil Conference do Bank of America Merril Lynch

Presidente da República, Michel Temer, durante o 10° Brazil Conference do Bank of America Merril Lynch

O presidente da República, Michel Temer, alertou, nesta quarta-feira (29), para uma possível paralisação do Brasil no caso de a reforma da Previdência não ser aprovada pelo Congresso Nacional. Sem mudanças no atual sistema, o País, em 2024, terá recursos apenas para pagar servidores públicos e os aposentados e pensionistas.

“Não pense em investimento de nenhuma maneira, não pense em programas sociais de nenhuma maneira, porque a verba projetada para 2024, e como diz o meu ministro Padilha, 2024 é amanhã. É daqui a sete anos, e sete anos passam de uma maneira extraordinária”, afirmou Temer, durante discurso no 10° Brazil Conference do Bank of America Merrill Lynch.

No ano passado, a Previdência Social teve um déficit de R$ 149,7 bilhões. Para este ano, a projeção é que o saldo negativo chegue a R$ 181 bilhões. “Como há uma campanha muito grande contra a Previdência Social, se não fizer essa reforma hoje (...), daqui a sete anos, paralisamos o País”, disse.

Ao assumir o governo, Temer ponderou no discurso, o raciocínio poderia ter sido de evitar reformas estruturais e apresentar medidas populistas. No entanto, o caminho foi outro. A opção do presidente da República foi resolver o problema imediatamente, antes que ele se torne maior e mais difícil de solucionar.

Equilíbrio

Evitar a reforma agora pode levar o Brasil a passar pela mesma situação vivida por países como Espanha, Grécia e Portugal. Com o excesso de gastos previdenciários, os governos locais foram obrigados a reduzir o valor de aposentadorias e salários de servidores públicos. Segundo Temer, essas reformas querem evitar esse cenário no Brasil.

“Nós estamos fazendo regras de transição que permitem que, muito proximamente, muito brevemente. a economia nacional, as finanças públicas possam estar mais equilibradas”, argumentou o presidente.

Regras

Ele ainda argumentou que é falso a afirmação de que o brasileiro terá de trabalhar por 49 anos para se aposentar. Pelas regras propostas, terá acesso ao benefício quem tiver 65 anos de idade e pelo menos 25 anos de contribuição ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

Com esses requisitos, é possível se beneficiar com o equivalente a 76% do salário de contribuição. Se o objetivo for uma renda maior, para cada ano a mais no mercado, o trabalhador irá incrementar essa conta em um ponto percentual.

Fonte: Portal Planalto