Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 03 > Ministro vê primeiros sinais de crescimento da economia brasileira

Notícia

Ministro vê primeiros sinais de crescimento da economia brasileira

PIB 2017

Após enfrentar a pior recessão na história do País, Brasil começou a crescer a partir de janeiro, explica Henrique Meirelles
por Portal Planalto publicado: 07/03/2017 09h00 última modificação: 15/03/2017 16h42
Marcos Corrêa/PR Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante reunião do Conselhão

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante reunião do Conselhão

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, nesta terça-feira (7), que, após a recessão do ano passado, a economia brasileira começou a mostrar os primeiros sinais de crescimento. Na visão de Meirelles, por conta das medidas tomadas pelo governo, o Brasil voltará a crescer no primeiro trimestre de 2017.

Durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), Meirelles mostrou os indicadores que comprovam a virada no cenário entre o fim de 2016 e o início de 2017. Mesmo os dados de emprego, que normalmente são os últimos a reagir em uma crise, sinalizam recuperação, com a indústria voltando a gerar postos de trabalho.

“O Brasil, hoje, já é um País que volta ao normal”, afirmou. Meirelles adiantou que a tendência é a economia melhorar, especialmente após a aprovação das reformas encaminhadas pelo governo. Entre elas, as mudanças no sistema de Previdência Social e a modernização da legislação trabalhista. Para o ministro, o Brasil avança a um novo estágio de produtividade.

Entre os indicadores apresentados por Meirelles, estão o fluxo de veículos leves nas estradas, produção e venda de papelão ondulado, vendas de supermercado e produção de motos. Meirelles também destacou a importação de bens intermediários, a confiança do consumidor, emplacamento de automóveis comerciais e risco Brasil. Para ele, esses dados indicam uma economia mais saudável em 2017.

Reformas econômicas

Na prática, explicou Meirelles, o setor público vai tirar menos recursos da sociedade para se financiar, o que vai deixar um espaço a ser ocupado pelo setor privado. Ou seja, o Brasil vai se tornar mais eficiente, com maior capacidade de gerar investimentos e empregos.

Porém, o ministro admite que o País ainda sente o resultado de uma série de políticas econômicas que levaram à crise brasileira. Hoje, o Produto Interno Bruto (PIB) do último trimestre do ano passado e o resultado consolidado de 2016 registraram números negativos.

“Esses números são o resultado de uma série de políticas que levaram a economia brasileira a enfrentar a maior crise de sua história (...). Agora, estamos em processo de saída dessa crise”, ponderou.

Fonte: Portal Planalto

Assunto(s): Economia, Finanças