Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 03 > Governo entrega 1,3 mil residências do Minha Casa Minha Vida em SP

Notícia

Governo entrega 1,3 mil residências do Minha Casa Minha Vida em SP

Habitação

Medida vai beneficiar cerca de 5 mil pessoas. Na cerimônia, presidente da República destacou a previsão para a construção de outras 600 mil casas no orçamento deste ano
por Portal Planalto publicado: 24/03/2017 14h06 última modificação: 27/03/2017 09h52
Foto: Beto Barata/PR Programa já beneficiou mais de 13 milhões de pessoas, com a entrega de mais de 3,2 milhões de moradias

Programa já beneficiou mais de 13 milhões de pessoas, com a entrega de mais de 3,2 milhões de moradias

Com a presença do presidente da República, Michel Temer, o governo federal entregou, nesta sexta-feira (24), mais 1,3 mil casas do programa Minha Casa Minha Vida a famílias de São José do Rio Preto (SP). O empreendimento da Caixa Econômica Federal beneficia cerca de 5 mil pessoas, em famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil.

Além de Temer, participaram da cerimônia o ministro das Cidades, Bruno Araújo; o presidente da Caixa, Gilberto Occhi; o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; e o prefeito de São José do Rio Preto, Edinho Araújo. “Nós estamos fazendo um esforço extraordinário para dar provimento, para acolher, todas as postulações sociais”, disse o presidente.

Depois da cerimônia, em entrevista aos jornalistas, o presidente ressaltou que uma das missões do governo é ajudar aqueles que são mais carentes da sociedade brasileira. Nesse cenário, o programa habitacional é parte fundamental na mudança de vida das pessoas. “Estamos completando várias unidades do Minha Casa Minha Vida e, para este ano, temos orçamento para 600 mil unidades do programa”, adiantou.

Recuperação da economia

Nos últimos meses, vários indicadores reforçam os sinais da retomada da economia do Brasil. Em fevereiro, por exemplo, o País registrou saldo positivo de quase 36 mil vagas de emprego. A credibilidade no exterior está sendo restaurada, o que pode ser visto pelo ágio obtido nas concessões de infraestrutura e na melhora da perspectiva do Brasil pela agência de classificação de risco Moody's.

“Nosso objetivo central é exatamente recuperar a economia brasileira, que está marcada muito acentuadamente pela queda da inflação. Vocês viram que no final do ano ela estava em 6,29%, portanto abaixo do teto da meta. Mas, ontem ainda, conversando com o presidente do Banco Central, ele me disse que estava em 4,8%. Portanto, em pouquíssimo tempo, estará no centro da meta, que é 4,5% e logo depois abaixo do centro”, garantiu.

Fonte: Portal Planalto