Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 02 > Ministro da Casa Civil enfatiza caráter "reformista" do governo federal

Notícia

Ministro da Casa Civil enfatiza caráter "reformista" do governo federal

Casa civil

Eliseu Padilha comemorou a aprovação pelo Senado da MP do Ensino Médio. Segundo ele, outras propostas serão confirmadas pelo Congresso neste primeiro semestre
por Portal Planalto publicado: 09/02/2017 13h02 última modificação: 09/02/2017 14h43
Romério Cunha/Casa Civil Ministro afirmou que as reformas trabalhista e da previdência devem ser aprovadas ainda no primeiro semestre

Ministro afirmou que as reformas trabalhista e da previdência devem ser aprovadas ainda no primeiro semestre

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, enfatizou, nesta quinta-feira (9), após a aprovação da Medida Provisória 746/2016, que trata da reformulação do Ensino Médio, o caráter "reformista" do governo federal. Votado ontem (8) pelo Senado, a matéria aguarda sanção do presidente da República, Michel Temer.

“Nós somos um governo reformista, e essa é uma das maiores reformas que vamos fazer. Não existe processo de desenvolvimento que não esteja sustentado no nível de conhecimento da população”, afirmou Padilha.

Um dos pontos principais da proposta é tornar flexível o currículo atual do Ensino Médio, aproximando a formação escolar da realidade do mercado de trabalho. “Essa é uma medida fundamental para redirecionar a qualificação do brasileiro, pois propicia ao aluno escolher a área na qual ele quer ter maior conhecimento e, em contrapartida, haverá exigência por um desempenho melhor”, disse.

Aprovação

Além da reforma do Ensino Médio, Padilha comentou a expectativa com relação a outras propostas enviadas ao Congresso Nacional, como a reforma da Previdência e a reforma trabalhista. A primeira propõe mudanças no tempo de contribuição até a aposentadoria; e a segunda, modernizar a legislação do trabalho.

“A reforma da Previdência e a reforma trabalhista devem ser aprovadas ainda no primeiro semestre. Fizemos, em sete meses, muito mais do que pensávamos que conseguiríamos fazer em dois anos e meio”, analisou.

Fonte: Portal Planalto