Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 02 > Líderes partidários destacam parceria entre Legislativo e Executivo

Notícia

Líderes partidários destacam parceria entre Legislativo e Executivo

Legislativo

Deputados veem diálogo constante entre os dois poderes como um dos principais fatores para a aprovação das reformas que buscam a retomada do crescimento econômico
por Portal Planalto publicado: 03/02/2017 19h00 última modificação: 03/02/2017 19h00

Líderes partidários veem o diálogo constante entre o Executivo e o Legislativo como um dos principais fatores para a aprovação das reformas apresentadas pelo governo federal desde o ano passado. Entre elas, a emenda constitucional do teto de gastos e as reformas trabalhista e da Previdência, que estão em tramitação no Congresso Nacional.

Responsável pela articulação governista na Câmara dos Deputados, André Moura (PSC-SE) classificou o governo do presidente Michel Temer como das reformas, do diálogo e da coragem. “Coragem de enfrentar matérias como essa, mas que são fundamentais para o futuro do País. E para isso eu tenho certeza que vamos contar com o apoio da base, para que possamos aprovar as reformas e outras matérias”, afirmou o líder do governo, em entrevista ao Portal Planalto.

Moura vê o atual cenário político como “extremamente positivo” para a realização das reformas. “Agora a nossa missão, além de aprovar outras matérias importantes para o país, [é aprovar] principalmente as três reformas que o presidente Michel Temer tem como prioridade para o seu governo”, afirmou, se referindo às reformas da Previdência, trabalhista e tributária.

Garantir o futuro

Para o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), é preciso reformar a Previdência para não apenas para torná-la sustentável e garantir o direito dos trabalhadores à aposentadoria, mas também para conter o “déficit brutal”. “Nós precisamos fazer as reformas, modernizar o nosso Brasil. Temos um Orçamento que é limitado”, comentou.

Já Roberto de Lucena (PV-SP), entende que existe uma “uma agenda de responsabilidade com o Brasil”, assumida de forma corajosa pelo governo Temer. “A Câmara – e o Congresso Nacional de maneira geral – não podia se omitir, não podia fugir desse debate. As propostas serão enriquecidas, receberão contribuições e por fim, a compreensão de que nós estamos enfrentando nossos desafios e cumprindo a nossa missão de pensar no Brasil do futuro”, afirmou.

Fonte: Portal Planalto