Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 02 > Governo vai reforçar necessidade de aprovação da reforma da Previdência

Notícias

Governo vai reforçar necessidade de aprovação da reforma da Previdência

Reforma da Previdência

Expectativa é que a proposta seja analisada na Câmara dos Deputados em abril. Déficit do sistema no ano passado chegou a R$ 149,7 bilhões
por Portal Planalto publicado: 21/02/2017 18h00 última modificação: 21/02/2017 18h00
Antonio Cruz/Agência Brasil Ministro de Governo e secretário da Previdência deram entrevista após a reunião

Ministro de Governo e secretário da Previdência deram entrevista após a reunião

O governo federal vai intensificar a campanha de esclarecimento a parlamentares sobre a reforma da Previdência. Durante reunião nesta terça-feira (21) do presidente da República, Michel Temer, com deputados da comissão que discutem o tema, líderes partidários, e integrantes do governo, foi reforçada a necessidade de a aprovação de um texto próximo ao enviado pelo Executivo.

Ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy classificou a proposta que altera regras previdenciárias como “essencial”. Sem ela, continuou o ministro, o reequilíbrio das contas públicas não estará completo. Por isso, o governo federal vai intensificar a campanha para esclarecer os principais pontos da proposta em tramitação no Congresso.

No ano passado, o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) teve um rombo de R$ 149,7 bilhões. Para este ano, a projeção é que o déficit chegue a R$ 181 bilhões, caso o sistema seja mantido. Nesta linha, o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, afirmou que irá expor com “mais clareza possível” a proposta para o Congresso manter o texto o “mais fiel possível” à redação original.

De acordo com Imbassahy, a expectativa é que a proposta esteja pronta para votação na comissão especial em abril, depois seguindo para o plenário da Câmara. Por ser uma proposta de emenda à Constituição, a matéria precisa ser votada em dois turnos antes de seguir para apreciação dos senadores. “Nós estamos na linha da reconstrução da economia, da retomada do crescimento”, afirmou.

Fonte: Portal Planalto