Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 02 > Governo encaminhará ao Congresso projeto para regulamentar direito de greve

Notícia

Governo encaminhará ao Congresso projeto para regulamentar direito de greve

Segurança pública

Apesar da previsão constitucional, tema relacionado aos servidores públicos ainda não foi regulamentado pelo Congresso Nacional
por Portal Planalto publicado: 13/02/2017 13h16 última modificação: 16/02/2017 15h23
Foto: Marcos Corrêa/PR Pronunciamento à imprensa do presidente Michel Temer

Pronunciamento à imprensa do presidente Michel Temer

O presidente da República, Michel Temer, anunciou, nesta segunda-feira (13), que o governo federal encaminhará ao Congresso Nacional um projeto de lei para regulamentar o direito à greve do servidor público. Prevista na Constituição Federal, até hoje a paralisação não foi regulamentada pelo Legislativo. 

Em declaração à imprensa no Palácio do Planalto, Temer ressaltou a necessidade de se legislar sobre o tema. “Eu sei, e todos sabemos, que o Supremo Tribunal Federal, em vários momentos, já se manifestou sobre essa matéria em face, precisamente, da omissão, da não realização ou da não aprovação de um projeto disciplinador do texto constitucional”, disse.

De acordo com Temer, a formulação da proposta não teve início por conta das consequências para a segurança pública da greve de policiais militares no Espírito Santo. A Constituição estabelece que as polícias militares são impedidas de fazer greve ou sindicalizar-se.

Comportamento

“Portanto, o que lá houve, por força de um movimento encabeçado pelas senhoras que levaram adiante esse movimento, foi na verdade uma insurgência contra o texto constitucional”, apontou.

Por isso, o presidente ressaltou que esse comportamento por parte das forças policiais não deve voltar a ocorrer, “independentemente da participação de natureza federal”. Para manter a ordem e a segurança pública, o governo enviou 3.130 homens das Forças Armadas para atuar no estado. E o uso desse expediente, ressaltou o presidente, estará à disposição de “toda e qualquer hipótese de desordem nos estados da federação brasileira”.

 Fonte: Portal Planalto