Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 01 > Temer participa de funeral de ex-presidente de Portugal

Notícia

Temer participa de funeral de ex-presidente de Portugal

Luto

Presidente da República viaja na tarde desta segunda-feira (9) para Lisboa. Mário Soares, uma das principais figuras da transição democrática portuguesa, morreu no último sábado (7)
por Portal Planalto publicado: 09/01/2017 15h17 última modificação: 09/01/2017 15h54
Marieta Cazarré/Agência Brasil Governo português decretou luto oficial de três dias

Governo português decretou luto oficial de três dias

O presidente da República, Michel Temer, viajará a Portugal na tarde desta segunda-feira (9) para participar do funeral do ex-presidente português Mário Soares. Uma das principais figuras da transição democrática no país europeu, Soares morreu no sábado (7) após passar 20 dias internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI).

A cerimônia fúnebre ocorre no Mosteiro dos Jerônimos e terá, além de falas de familiares e do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, apresentação do coro e orquestra do Teatro Nacional de São Carlos. O ato se encerra com a execução do hino nacional português. O presidente brasileiro chegará na manhã desta terça-feira (10) e participa do funeral e de um encontro com chefes de Estado presentes na despedida. 

Em seu perfil no Twitter, Temer disse que o colega português foi "figura-chave" do Portugal moderno e amigo do Brasil. O governo português decretou três dias de luto oficial. O ministro das Relações Exteriores, José Serra, afirmou em comunicado que “a amizade fraterna entre o Brasil e Portugal, e a irmandade das nações lusófonas, terão sempre em Mário Soares um de seus grandes protagonistas”.

Democracia

Mário Soares nasceu no dia 7 de dezembro de 1924, em Lisboa, e é considerado por muitos um dos grandes nomes da democracia em Portugal. Advogado, fundou o Partido Socialista, lutou contra a ditadura de Salazar, foi preso e exilou-se em Paris.

Desempenhou papel central na resistência ao regime salazarista, na redemocratização de seu país e na estabilização da vida pública portuguesa após a Revolução dos Cravos, em 1974. Soares foi um dos grandes nomes tanto da social-democracia europeia como do histórico processo de integração no continente.

Fonte: Portal Planalto