Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 01 > Temer destaca geração de empregos como prioridade do governo

Notícia

Temer destaca geração de empregos como prioridade do governo

Entrevista

Em entrevista concedida à agência de notícias Reuters, presidente da República elencou as medidas tomadas para a recuperação econômica do País
por Portal Planalto publicado: 16/01/2017 19h24 última modificação: 17/01/2017 08h53
portal planalto
Foto: Alan Santos/PR Temer concedeu entrevista à Reuters no Palácio do Planalto

Temer concedeu entrevista à Reuters no Palácio do Planalto

O presidente da República, Michel Temer, afirmou, nesta segunda-feira (16), que a prioridade do seu governo é fazer o País retomar a capacidade de geração de emprego. Na visão do presidente, combater de forma bem-sucedida o desemprego significa também que a economia voltou a crescer. "Isto [geração de empregos] significa o crescimento da economia."

Desde o ano passado, o governo federal apresentou uma série de medidas para a recuperação econômica do País. Elas incluem o teto de gastos públicos até incentivos a micro e pequenos empresários, passando pelas reformas da Previdência e trabalhista. Por conta delas, houve queda na inflação oficial e também na taxa de juros do Banco Central.

Neste cenário, Temer acredita que a economia vai melhorar neste ano. “A partir do segundo semestre, ou de meados do segundo semestre, o desemprego já comece a diminuir e o crescimento virá de uma vez", afirmou o presidente, em entrevista à agência de notícias Reuters.

Reformas

Durante a entrevista, Temer disse que já anunciou medidas para injetar recursos na economia, como a liberação de contas inativas do FGTS e a redução dos juros do cartão de crédito. Porém, ele considera seu mandato como um “governo de reformas”.

"Este é um governo de reformas e, sendo um governo de reformas, é um governo preparatório para o governo que virá em 2018", afirmou. "Eu espero apenas cumprir essa tarefa e deixar que meu sucessor possa encontrar um País mais tranquilo", concluiu.

Fonte: Portal Planalto

registrado em: , ,
Assunto(s): Governo federal, Economia