Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2017 > 01 > Serra Talhada recebe novo campus do Instituto Federal do Sertão de Pernambuco

Notícia

Serra Talhada recebe novo campus do Instituto Federal do Sertão de Pernambuco

Educação

Unidade conta com 12 salas de aula, laboratórios, auditório e ginásio. Presidente Michel Temer inaugurou a obra nesta segunda-feira (30)
publicado: 30/01/2017 12h43 última modificação: 30/01/2017 21h59
Foto: Alexandre Martiniano/PR Governo federal investiu R$ 11,7 milhões na construção do novo prédio do Instituto Federal do Sertão Pernambucano

Governo federal investiu R$ 11,7 milhões na construção do novo prédio do Instituto Federal do Sertão Pernambucano

Mais de 350 alunos do ensino médio e técnico de Serra Talhada, no Sertão de Pernambuco, a 415 quilômetros de Recife, vão começar o ano letivo de casa nova. O presidente da República, Michel Temer, inaugurou, nesta segunda-feira (30), o Campus do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na cidade. A unidade possui 5.600 metros quadrados, 12 salas de aula, oito laboratórios, auditório, refeitório, anfiteatro e ginásio poliesportivo, todos respeitando os critérios de acessibilidade.

Funcionando há dois anos na cidade, o instituto usava salas cedidas pela prefeitura. Para o diretor-geral do campus, Givanilson Magalhães, a inauguração do prédio novo é um “presente”, pois vai trazer mais conforto, comodidade e qualidade de ensino para os alunos, professores e funcionários. “Isso representa uma grande força nas nossas atividades, no serviço que vamos prestar, não só em Serra Talhada, mas em toda a região do Pajeú”.

O aluno de Técnica em Logística, Alan Jones Heliodoro, 26 anos, elogiou a estrutura do novo prédio. “Vamos poder estudar melhor porque vamos ter a nossa biblioteca, o nosso setor de informática, o próprio ginásio. É nosso, não é emprestado de ninguém. É uma evolução”, comentou.

Com o fim da obra, o Campus Serra Talhada vai beneficiar outros municípios do sertão pernambucano: Brejinho, Calumbi, Carnaíba, Flores, Iguaraci, Ingazeira, Itapetim, Quixaba, São José do Egito, Solidão, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Terezinha, Tabira, Triunfo e Tuparetama.

“É isso que a gente espera do governo federal, não só no nosso estado, mas em todo o País. O que todos nós queremos é uma educação qualificada”, disse Alan. O serra-talhadense pretende, com a conclusão do curso, sair do trabalho informal e, no futuro, abrir o próprio negócio.

Hoje, a unidade de Serra Talhada oferece os cursos técnicos de Logística, Eletrotécnica e Refrigeração e Climatização, além do curso Técnico em Segurança do Trabalho na modalidade Ensino a Distância. Estão em fase de formatação, na modalidade superior, Engenharia Civil, Engenharia de Produção e licenciatura em Física. Quando todos os cursos estiverem funcionando, o campus terá 1200 alunos e 60 professores.

Investimento

O governo federal investiu, por meio do Ministério da Educação (MEC), R$ 11,7 milhões na construção do novo prédio do Instituto Federal do Sertão Pernambucano em Serra Talhada.

Durante a cerimônia de inauguração, o presidente Michel Temer vai assinar o repasse de R$ 91,8 milhões para estados e municípios, referentes à complementação ao piso salarial dos professores cujos governos não atingem o mínimo exigido por lei. Para 2017, será um total de 1,297 bi para nove estados.

Além disso, será assinada a liberação de mais R$ 2,1 milhões para finalizar a compra e instalação de equipamentos para o campus. Esse investimento faz parte de um plano do MEC para a expansão, adequação e modernização das instalações dos institutos federais com orçamento de R$ 250 milhões para este ano. O Brasil tem hoje 41 institutos e centros federais de ensino técnico e tecnológico, com 644 unidades em todo País.

No campus de Serra Talhada, a maior parte dos investimentos já chegou. Agora, a cidade quer dar aos jovens da região a chance de estudar e trabalhar, sem ter de deixar a terra natal.

“Historicamente, Serra Talhada importa profissionais de outras cidades para atender, especialmente a nível gerencial, as grandes empresas que temos aqui na região. O nosso aluno é formado e vai ter a capacidade de preencher essas vagas. E essa mão de obra qualificada na cidade é um atrativo para que empresas venham para cá”, explicou Alex de Souza, professor de matemática do novo campus.

Fonte: Portal Planalto