Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 11 > Temer sinaliza apoio à comissão que analisa salários acima do teto

Notícia

Temer sinaliza apoio à comissão que analisa salários acima do teto

Teto Salarial

Comissão especial foi instalada no Senado para analisar salários do funcionalismo que extrapolam teto constitucional
por Portal Planalto publicado: 16/11/2016 19h37 última modificação: 17/11/2016 15h37
Foto: Marcos Corrêa/PR Presidente no encontro com a comissão de senadores

Presidente no encontro com a comissão de senadores

Durante encontro nesta quarta-feira (16), no Palácio do Planalto, o presidente da República, Michel Temer, sinalizou apoio ao trabalho da Comissão Especial Extrateto, de acordo com os participantes da reunião.

O colegiado foi criado com o objetivo de analisar a folha de pagamentos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e identificar os servidores que estejam recebendo acima do teto constitucional, que hoje é de R$ 33.763,00, valor do subsídio dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em entrevista ao Portal Planalto após a reunião, o presidente da comissão, senador Otto Alencar (PSD-BA), afirmou que Temer solicitou que o Ministério do Planejamento subsidie os trabalhos da comissão fornecendo as informações que forem necessárias. “O presidente se mostrou na condição de colaborar em todos os sentidos para nos ajudar”, afirmou Otto Alencar.

Na conversa com o presidente, também foi discutida a possibilidade de regulamentar a emenda constitucional 41, que já estabelece alguns critérios para a matéria. Também participaram da reunião com o presidente os senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG), Kátia Abreu (PMDB-TO), Magno Malta (PR-ES), Lasier Martins (PDT-RS) e José Aníbal (PSDB-SP).

Em seu trabalho, a comissão deverá propor medidas como a desvinculação do subsídio dos ministros de tribunais superiores para evitar o efeito cascata, sobretudo no orçamento dos estados. A regulamentação de benefícios como auxílio-moradia e outras indenizações também deverão ser analisados.

Fonte: Portal Planalto, com informações do Senado Federal