Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 11 > Relator no Senado recomenda aprovação do teto de gastos

Notícia

Relator no Senado recomenda aprovação do teto de gastos

Equilíbrio fiscal

Senador Eunício Oliveira ressaltou que medida respeita cláusulas pétreas da Constituição e que contenção das despesas é essencial para retomada do crescimento
por Portal Planalto publicado: 01/11/2016 13h18 última modificação: 09/11/2016 15h44
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado Eunício Oliveira ressaltou que, sem reformas, tendência é estagnação ou crescimento mínimo da economia

Eunício Oliveira ressaltou que, sem reformas, tendência é estagnação ou crescimento mínimo da economia

O relator no Senado da proposta de emenda à Constituição que estabelece o teto para os gastos públicos, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), recomendou a aprovação da matéria em relatório apresentando nesta terça-feira (1°) durante reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). 

No relatório, o senador afirma que a proposta, que tramita no Senado como PEC 55, respeita cláusulas pétreas e não altera a estrutura federativa do Estado brasileiro. Para o relator, a medida é necessária para a retomada do crescimento. Ele ressaltou que a fixação do teto de gastos seria medida equilibrada e de menor risco.

“Sem reformas, a tendência do Brasil é a estagnação ou crescimento mínimo. Nesse cenário, não haverá recursos para financiar programas sociais, a inflação tenderá a aumentar, prejudicando os mais pobres, e a geração de empregos será substancialmente menor”, disse o senador em seu relatório.

Ele ainda afirmou que os recursos para saúde e educação estarão assegurados. E apontou que o novo regime fiscal prevê a elevação do piso em 2017 para a saúde de 13,7% da Receita Corrente Líquida (RCL) para 15%. Para a educação, também há a garantia da manutenção do piso constitucional, fixado para o próximo ano em 18% da arrecadação de impostos.

De acordo com o relator, não estarão sujeitas ao teto as transferências de recursos da União para estados e municípios, como os gastos para realização de eleições e verbas para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação Básica (Fundeb).

Fonte: Portal Planalto, com informações da Agência Senado