Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 11 > Parlamentares capixabas apoiam medidas do ajuste econômico

Notícia

Parlamentares capixabas apoiam medidas do ajuste econômico

Retomada do Crescimento

Em reunião com o presidente Michel Temer, bancada do Espírito Santo pediu a inclusão da BR-262 no pacote de concessões à iniciativa privada
por Portal Planalto publicado: 16/11/2016 15h08 última modificação: 16/11/2016 19h59
Foto: Marcos Corrêa/PR Temer se reuniu com deputados e senadores capixabas no Palácio do Planalto

Temer se reuniu com deputados e senadores capixabas no Palácio do Planalto

Deputados e senadores do Espírito Santo foram recebidos nesta quarta-feira (16) pelo presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto. Os parlamentares manifestaram apoio às propostas de ajuste fiscal do governo e conversaram sobre medidas para melhorar a infraestrutura do Estado.

Os parlamentares do Estado reiteraram o apoio à proposta que fixa um teto para os gastos públicos e sobre a necessidade de debater a reforma da Previdência. “Não existe dinheiro público. Existe dinheiro da sociedade que é gerido pelos governantes naquele momento e pelos governantes que se sucedem”, disse o deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), que participou do encontro.

Líder do governo no Congresso, a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES) disse ser necessário voltar a ter equilíbrio nas contas para o País retomar sua receita e, por consequência, as obras. "Desde creche, escolas, hospitais, estradas, e o País só pode falar essa linguagem de desenvolvimento se colocar essas pautas todas em dia. Primeiro o equilíbrio econômico. Sair dessa recessão é fundamental", afirmou.

Rodovias

Uma dos principais pedidos da bancada ao presidente foi a inclusão da BR-262 no pacote de concessões à iniciativa privada. Os parlamentares também trataram da retomada de negociações para a construção de uma ferrovia entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro.

Segundo Coimbra, o Espírito Santo é um Estado que dá exemplo nacional ao cortar gastos para cumprir suas obrigações básicas.

Fonte: Portal Planalto