Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 11 > Emissoras ganharão qualidade ao mudar de frequência

Notícia

Emissoras ganharão qualidade ao mudar de frequência

Comunicação

Entidade do setor vê a migração do AM para o FM como oportunidade para as rádios continuarem na ativa
por Portal Planalto publicado: 07/11/2016 14h45 última modificação: 07/11/2016 16h49
Foto: Reprodução Abert trabalha com o MCTIC para aumentar o número de migrações

Abert trabalha com o MCTIC para aumentar o número de migrações

Proprietário de uma rádio AM em Campo Grande (MS), Alex Bachega acredita em uma série de benefícios para as emissoras e os ouvintes com a mudança para o sistema FM. Por isso, ele iniciou o processo no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para realizar a migração. Nesta segunda-feira (7), ele concretizou a transferência ao participar no Palácio do Planalto da cerimônia de assinatura do termo que autoriza a alteração na faixa de frequência.

De acordo com Bachega, a tecnologia AM ficou obsoleta, a audiência caiu e as emissoras perderam anunciantes. Agora, com a mudança na frequência, ele acredita que a migração trará vantagens. Entre elas, o avanço tecnológico, a melhoria da qualidade de áudio, a atração de novos ouvintes e a possibilidade de aumentar o ganho publicitário das emissoras.

“Você vai abrir muito mais opções. Enquanto, por exemplo, na cidade de Campo Grande, você tem cinco [emissoras] FM, agora vai se ampliar. Vão ter novas oportunidades, novos canais, e isso é melhor para o ouvinte. Quanto mais opção para o ouvinte, melhor”, destacou, em entrevista exclusiva ao Portal Planalto.

Recuperação

O presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Paulo Tonet Camargo, avaliou que a mudança de AM para FM é um primeiro passo para recuperar as estações que ainda operam com tecnologia defasada.

“A possibilidade dessas emissoras, especialmente no interior do Brasil, poderem passar para a frequência FM é efetivamente um grande salto, uma oportunidade para que essas emissoras possam continuar existindo”, afirmou, em entrevista ao Portal Planalto.

Camargo destacou ainda que a Abert está trabalhando em conjunto com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para garantir que, em breve, mais rádios AM consigam a autorização para migrar. De acordo com o MCTIC, de 1.781 emissoras brasileiras AM, 1.386 já pediram ao ministério a mudança para a faixa FM. Destas, 244 assinaram hoje o termo de autorização para migrar.

Fonte: Portal Planalto