Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 11 > Conferência marca virada nas relações da CPLP, diz presidente português

Notícia

Conferência marca virada nas relações da CPLP, diz presidente português

Língua Portuguesa

Na visão de Marcelo Rebelo de Sousa, nova estratégia da comunidade está mais próxima dos cidadãos
por Portal Planalto publicado: 01/11/2016 14h54 última modificação: 01/11/2016 20h48
Foto: Beto Barata/PR Marcelo Rebelo de Sousa disse existir uma "oportunidade de cooperação" entre Brasil e Portugal

Marcelo Rebelo de Sousa disse existir uma "oportunidade de cooperação" entre Brasil e Portugal

A XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) marca uma virada histórica nas relações internas e no peso internacional do grupo. Essa é a visão do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o encontro encerrado nesta terça-feira (1º), em Brasília.

“Não apenas a língua, não apenas a política, não apenas o encontro de cúpula, mas a economia e a sociedade e a mobilidade das pessoas e a projeção da comunidade no mundo. Esta viragem histórica é a grande mensagem, é o grande espírito [da Conferência] de Brasília”, avaliou.

Em entrevista exclusiva ao Portal Planalto, o presidente de Portugal afirmou que a nova estratégia definida para a CPLP está mais próxima dos cidadãos, das mulheres e da juventude. Sousa lembrou ainda que a eleição do português Antonio Guterres para o secretário-geral da ONU contribui para aumentar a importância internacional dos países de língua portuguesa.

Relações bilaterais

Sobre as relações bilaterais entre Portugal e Brasil, o chefe de Estado português ressaltou que “há uma oportunidade de cooperação” em diferentes setores, como saúde, educação, economia e previdência.

Mas, segundo Sousa, ocorrerá um reforço “muito substancial” nas relações entre os dois países na cultura e na economia. O aprofundamento da cooperação bilateral é tema do encontro desta terça-feira (1º) entre o presidente Michel Temer e o primeiro-ministro português, António Costa.

Fonte: Portal Planalto