Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 11 > Após mais de 50 anos, Brasil será considerado livre de aftosa

Notícia

Após mais de 50 anos, Brasil será considerado livre de aftosa

Defesa sanitária

Para ministro da Agricultura, Blairo Maggi, Brasil precisa entender a "importância do certificado". Presidente Michel Temer recebeu a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE)
por Portal Planalto publicado: 21/11/2016 20h13 última modificação: 22/11/2016 10h57
Rogério Melo/PR Diretora-geral da OIE elogiou recursos brasileiros de defesa sanitária durante reunião com o presidente Michel Temer

Diretora-geral da OIE elogiou recursos brasileiros de defesa sanitária durante reunião com o presidente Michel Temer

Acompanhada pelo ministro Blairo Maggi, da Agricultura, a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), Monique Eloit, foi recebida pelo presidente da República, Michel Temer, nesta segunda-feira (21), no Palácio do Planalto. No encontro, eles falaram da possibilidade de o Brasil receber a certificação de rebanho livre de febre aftosa até 2018.

“O Brasil receberá em 2018 a certificação de livre da febre aftosa com vacinação”, explicou o ministro. “O País precisa começar a entender isso, a importância desse certificado. Viemos para convidá-lo [o presidente Temer] para em 2018 receber o certificado pessoalmente”, explicou.

Monique, ao sair do encontro, disse se sentir orgulhosa de ter participado da reunião por essa ter sido a primeira vez que um presidente do Brasil recebe um diretor-geral da OIE.

Ela relatou ter compartilhado com Temer sua admiração pelo serviço veterinário brasileiro. "Eu dividi com ele [Temer] minha admiração pelo trabalho feito pelo serviço veterinário brasileiro e também pelo ministro da Agricultura. O trabalho é muito bem feito", afirmou.

Papel do Brasil na América Latina

Segundo a executiva, o Brasil tem um papel muito significativo no desenvolvimento das Américas, como, por exemplo, no combate à febre aftosa, à peste suína clássica e à gripe aviária. "Por isso, é muito importante que o Brasil continue a ser tão comprometido com as questões veterinárias", ponderou.

Ela ainda elogiou a coordenação entre os diferentes níveis no governo e o bom funcionamento na relação entre o setor privado e setor público. 

Fonte: Portal Planalto