Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 10 > Novo marco do pré-sal é vantajoso à Petrobras e ao País, diz Parente

Notícia

Novo marco do pré-sal é vantajoso à Petrobras e ao País, diz Parente

Infraestrutura

Projeto garante à empresa retirar obrigação da companhia em operar todos os campos de pré-sal, aumentando a atração de investimentos e a geração de receitas
por Portal Planalto publicado: 24/10/2016 16h39 última modificação: 24/10/2016 17h11
Foto: Clauber Cleber Caetano/PR Para o presidente da estatal, proposta vai atrair investidores estrangeiros para exploração do petróleo

Para o presidente da estatal, proposta vai atrair investidores estrangeiros para exploração do petróleo

O novo marco regulatório do petróleo na camada pré-sal, que desobriga a Petrobras de participar de todos os blocos de exploração, é vantajoso para a empresa e para o País. Segundo o presidente da companhia, Pedro Parente, a legislação em fase final de tramitação no Congresso possibilita a atração de investidores e a geração de receitas para os estados.

“O simples fato de passar de obrigação para um direito de escolha já é uma vantagem para a empresa. Mas é importante mencionar que não é só uma vantagem para a empresa, é uma vantagem para o País também”, disse Parente, em entrevista ao Portal Planalto.

O projeto, que deve ter sua votação encerrada entre hoje e amanhã pela Câmara dos Deputados, retira a obrigação da Petrobras em explorar pelo menos 30% dos campos do pré-sal na condição de operadora. De acordo com Parente, a medida é fundamental para garantir a exploração em um momento de restrições financeiras da empresa. Após a apreciação, a proposta seguirá para sanção do presidente da República, Michel Temer.

Parente entende que a aprovação do projeto dará condições ao País de atrair investidores para explorar outros campos em paralelo com a Petrobras. "O recurso investido em cada campo, quase metade dele, vai para os governos sob as formas das mais diferentes receitas. Então seria muito ruim para o País se a Petrobras continuasse obrigada a ser a única operadora do pré-sal", afirmou.

Fonte: Portal Planalto