Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 10 > Governo não tem intenção de elevar impostos, afirma Temer

Notícia

Governo não tem intenção de elevar impostos, afirma Temer

Retomada do crescimento

Em entrevista à Rádio Gaúcha, Michel Temer falou sobre geração de empregos, PEC do teto dos gastos e segurança pública
por Portal Planalto publicado: 07/10/2016 11h23 última modificação: 07/10/2016 13h30
Foto: Beto Barata/PR Em entrevista, Temer afirmou que o governo não pretende elevar impostos para estabilizar as contas públicas

Em entrevista, Temer afirmou que o governo não pretende elevar impostos para estabilizar as contas públicas

Em entrevista à Rádio Gaúcha, na manhã desta sexta-feira (7), o presidente Michel Temer afirmou que o governo não pretende elevar impostos para estabilizar as contas públicas. Questionado sobre como o setor produtivo contribuirá para o ajuste fiscal, Temer explicou que o governo não vai propor desonerações e afirmou que a melhoria da atividade econômica irá elevar a atividade produtiva do País.

"Nós não estamos pensando em tributo. Você percebeu que, desde esses quatro, cinco meses, não se falou, por exemplo, mais em CPMF. Não estamos pensando em CPMF como se pensava, e se alardeava muito durante um bom período. Então, nós não vamos pensar em tributo."

O presidente aproveitou a entrevista para reafirmar que a principal preocupação do governo é diminuir o desemprego. "O que me preocupa, sim, é dar emprego ou tentar fazer uma política nesses dois anos e pouco que dê emprego a 12 milhões de desempregados."

A Proposta de Emenda à Constituição que limita os gastos públicos, aprovada nessa quinta-feira (6) por comissão especial da Câmara, também foi abordada durante a entrevista. Temer destacou que áreas como saúde e educação continuarão a ser "privilegiadas" pelo governo.

"Não significa que existe um teto para a saúde, um teto para a educação, um teto para a cultura, um teto para a justiça. Ou seja, saúde e educação continuarão a ser prestigiados e, mais ainda, é preciso que mande examinar o orçamento que nós mandamos para 2017. Nós fizemos já o orçamento de 2017 como se o teto estivesse aprovado. E lá você verifica que tanto saúde como educação tiveram um aumento na suas verbas em relação a 2016."

O presidente foi perguntado também sobre a segurança no Rio Grande do Sul. Ele reafirmou que o governo está preocupado com a situação que o estado e outras unidades da federação enfrentam e informou que o Ministério da Justiça e Cidadania elabora um plano para solucionar esse problema.

Fonte: Portal Planalto