Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 10 > Custo de endividamento da Petrobras cai de 15% para 6%, diz Parente

Notícia

Custo de endividamento da Petrobras cai de 15% para 6%, diz Parente

Novos rumos

Presidente da petrolífera destaca o “reconhecimento” pelos investidores da “virada da empresa”. Apenas em 2016, ações valorizaram mais de 170%
por Portal Planalto publicado: 24/10/2016 13h04 última modificação: 24/10/2016 14h55
Foto: Clauber Cleber Caetano/PR Para Pedro Parente, Petrobras vive um momento de virada com a nova gestão

Para Pedro Parente, Petrobras vive um momento de virada com a nova gestão

Após passar por um momento de turbulência nos mercados financeiros, que resultou na queda das ações e na maior cobrança de juros por parte de credores, a Petrobras entra agora em um momento de virada. Em entrevista ao Portal Planalto, o presidente da companhia, Pedro Parente, afirmou que um dos sinais de reconhecimento da nova gestão é a redução da taxa de juros dos papéis de dívida da petrolífera, que caíram de 15% ao ano para 6% no mercado secundário. 

“No mercado secundário, os papéis da empresa  não estou falando em ações, mas papéis de dívida  chegaram a ser cotados a uma taxa de 15% ao ano e hoje este mesmo papel tem uma taxa inferior a 6% ao ano”, disse Pedro Parente, mencionando a taxa de juros cobrada pelos credores em papéis de dívidas da Petrobras, as chamadas debêntures. “Esse é um dos sinais que demonstram o reconhecimento de virada da empresa”, reforçou.

Parente foi um dos palestrantes da 18ª edição da Rio Oil & Gas, o maior congresso do segmento de óleo e gás na América Latina e um dos três mais importantes do mundo. Além dele, o evento contou com a presença do presidente da República, Michel Temer, que fez o discurso de abertura da feira, ocasião em que pediu mais diálogo para vencer a crise brasileira.

Na entrevista concedida ao Portal Planalto, Pedro Parente mencionou as medidas tomadas pela nova gestão para reduzir o endividamento e melhorar a eficiência da Petrobras. Logo após assumir a presidência da estatal, disse Parente, a nova diretoria anunciou um plano com corte de custos, parcerias e desinvestimentos. Segundo o presidente da empresa, o reconhecimento dessas ações influencia na valorização das ações da empresa, que subiram mais de 170% desde o início de 2016.

“A Petrobras está num momento de virada, a gente sempre repete que tem muito o que fazer, temos bastante o que fazer ainda, mas já começam a aparecer sinais importantes de que o trabalho que está sendo feito está sendo reconhecido”, afirmou. “Todas as medidas têm sido bem recebidas, e acredito que esse fato tem promovido essa valorização recente nos preços das nossas ações.”

Fonte: Portal Planalto