Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 09 > "Mudar regras da Previdência é garantir direitos", diz secretária do Tesouro

Notícia

"Mudar regras da Previdência é garantir direitos", diz secretária do Tesouro

Controle fiscal

Ana Paula Vescovi classifica como "insustentável" o atual ritmo de crescimento das despesas com pensões e aposentadorias
por Portal Planalto publicado: 05/09/2016 17h02 última modificação: 05/09/2016 17h33
Valter Campanato/Agência Brasil A secretária observou que se nada for feito, o Brasil terá, em breve, um sistema que não suportará o pagamento de benefícios

A secretária observou que se nada for feito, o Brasil terá, em breve, um sistema que não suportará o pagamento de benefícios

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, acredita que o Brasil precise repensar por completo as regras previdenciárias. Em entrevista ao Portal Planalto, Ana Paula classifica de "insustentável" o ritmo de crescimento das despesas com pensões e aposentadorias e afirma que mudar o atual sistema é assegurar o direito de recebimento a quem mais precisa do benefício pago pela Previdência Social.

“Nós temos de ter preocupação grande com o futuro para que possamos assegurar o direto das pessoas que hoje trabalham e contribuem, para que possam ter direito à aposentadoria”, diz.

Ana Paula afirma que, se nada for feito, o Brasil terá, em breve, um sistema que não suportará o pagamento de benefícios. “Essa é uma agenda de garantias de direitos que serão obtidos em um futuro próximo. É uma agenda de dar sustentação a um sistema que é tão importante para o Brasil e para o trabalhador brasileiro”, conta.

Reorganização das contas públicas

Para a secretária do Tesouro Nacional, a reforma da Previdência, somada à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece um limite para a expansão dos gastos públicos, permitirá ao Brasil voltar a ter contas públicas saudáveis, crescimento sustentável e a volta dos investimentos.

Alcançar esse patamar, diz Ana Paula, será bom não apenas para a gestão das contas públicas, mas para a sociedade como um todo. 

“Não precisará ter mais crescimento tão grande dos impostos como nos últimos anos. Isso tudo vai garantir uma disciplina maior nos gastos”, explica a secretária do Tesouro Nacional.

Fonte: Portal Planalto, com informações do Tesouro Nacional